Você está na cidade de:

ÁGUAS DO MUNDO

Espetáculo Águas do Mundo adapta “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” e ocupa os palcos paulistanos em temporadas gratuitas.

Com atuação, direção e dramaturgismo de Vanessa Bruno, peça criada a partir de obra de Clarice Lispector retrata a jornada de uma mulher que aprende o prazer de existir.

Em Águas do Mundo, uma mulher precisa desaprender a vergonha de ter prazer.
Algumas situações míticas envolvendo figuras femininas em pleno Rio de Janeiro? Clarice Lispector trouxe esse universo ao escrever o controverso “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres”, publicado em 1969.

As apresentações são gratuitas, basta retirar o ingresso com uma hora de antecedência. A ideia do trabalho é ampliar o debate sobre os estereótipos de gênero e promover reflexões a respeito dos projetos de representatividade, reconhecimento, validação e espaço social da mulher.

No romance, Clarice Lispector transporta narrativas clássicas para o ambiente doméstico, como o mito de Eros e Psiqué (que trata da superação de obstáculos ao amor) e a história da Odisséia, de Homero. A questão central é que os papéis estão invertidos. Por exemplo, no livro, não é Ulisses, um homem, quem parte em busca de autoconhecimento e sim, uma mulher, Lori, que faz sua travessia, enquanto ele a espera.

O capítulo central do romance clariceano foi publicado no Jornal do Brasil com o título Águas do Mundo. que dá nome à peça. A montagem mantém a poética narração em terceira pessoa, e também, os fluxos de pensamento dessa protagonista, que ora conversa com um interlocutor ao telefone, ora se dirige diretamente ao público.

No espetáculo, durante uma ocorrência trivial (banhar-se no mar) uma mulher se vê revelada em uma realidade mais profunda: é quando ela descobre o prazer de viver e de amar.
O trabalho também reverte o mito bíblico do pecado original. Ao comer a maçã, a mulher garante a sua entrada no paraíso. Por isso, a Lori de Vanessa Bruno vê no mar seu encontro com a liberdade. Sua grande luta é desaprender a vergonha e a proibição do prazer.

“Esse texto fala sobre aprender a existir sem a necessidade de um outro. Ninguém nos ensina a estar sozinhos. Se você é mulher, parece que deve estar sempre em busca de alguém que te complete, normalmente um homem”, comenta Vanessa Bruno.

O cenário e os figurinos de Anne Cerrutti apostam na mistura de elementos clássicos e modernos, para marcar essa atualização do romance. Portanto, há palavras em vídeo, imagens renascentistas da Gênesis e objetos como maçãs, colar de pérolas, sapatos tipicamente femininos, microfone, guitarra e smartphone.

O VULCÃO [criação e pesquisa cênica] tem a proposta de encenar grande autoras e aproximá-las do público. Águas do Mundo encerra a trilogia de solos, pensada para discutir as construções sociais das mulheres do nosso tempo.

A propositora, atriz e diretora do projeto, Vanessa Bruno, entende o deslocamento da literatura para o palco como uma espécie de tradução intersemiótica e, sua pesquisa tem como motor central e determinante o trabalho do intérprete. Sua investigação alia os procedimentos aprendidos na sua experiência pregressa de 16 anos junto ao CPT com o diretor Antunes Filho, a obras de grandes autoras em um trabalho que tem como princípio ser processual, no qual interpretação e dramaturgismo estão intrinsecamente relacionados e são elaborados na sala de ensaio. A atuação é entendida como catalizadora do discurso que tem como responsabilidade criativa uma resposta íntima e social. Desse modo, a narrativa do espetáculo se compõe pelo menos por duas camadas: uma que busca dar corporalidade para o enredo dos trechos escolhidos de Lispector e, outra que opera como depoimento da artista-cidadã contemporânea alinhada a questões urgentes de seu tempo. Assim, cria-se um tempo-espaço de ficção como emanação de um testemunho da atriz-cidadã de hoje através de fragmentos textuais de Clarice.

A peça constrói um espaço de encontro entre uma poética literária e uma poética teatral, ambas com a intenção de possibilitar uma verticalização feminista. Para ampliar esse diálogo, ao final de todas as apresentações está prevista uma conversa com pensadoras e professores capazes de aprofundar os temas tratados pelo texto.
O projeto foi contemplado pela 15ª edição do Prêmio Zé Renato que inclui a circulação também da temporada gratuita da peça infanto-juvenil Brincar de Pensar – contos de Clarice Lispector no palco para pessoas grandes ou pequenas, nos teatros municipais de SP entre os dias 04 de março e 05 de abril.

Atuação, direção e dramaturgismo
Propositora do VULCÃO [criação e pesquisa cênica], atriz e diretora teatral, Vanessa Bruno é bacharel em Cinema pela FAAP e Mestre em Artes Cênicas pela Universidade São Paulo (ECA-USP). Recentemente dirigiu Gesto no Centro de Pesquisa Teatral (CPT), espaço que era coordenado por Antunes Filho e, que desde 2004, estava envolvida. Sob direção de Antunes, atuou em (2008) Prét-à-Porter 9 (Projeto ganhador do Prêmio Shell – categoria especial) e (2006) A Pedra do Reino (melhor espetáculo nos prêmios Bravo!Prime, APCA e Contigo!), participou ativamente das reuniões teóricas e filosóficas e ministrou, desde 2010, aulas de retórica, teoria para atores no curso Introdução ao Método do Ator (CPTzinho).

Como atriz podemos destacar: (2004) Memórias do Mar Aberto – Medéia Conta sua História de Consuelo de Castro com Leona Cavalli direção Regina Galdino; (2003) Orgia de Pier Paolo Pasolini com Cássio Scapin e Inês Aranha, direção Roberto Lage. E em teatro infantil: Enjoy! com o Teatro da Gioconda – Prêmio Cultural Inglesa – melhor espetáculo 2009.
Dirigiu em teatro adulto (2010) O Ovo e A Galinha de Clarice Lispector e o infanto-juvenil (2014) Brincar de Pensar – contos de Clarice Lispector no palco para pessoas grandes ou pequenas. A partir dos espetáculos com literatura de Lispector desenvolveu na ECA/USP pesquisa prática e acadêmica descrevendo procedimentos para o intérprete trabalhar com literatura no palco. Com esta investigação, realizou vários workshops, entre eles, “Experimento Literatura na Cena” na Universidade da Costa Ricca.

Com o VULCÃO [criação e pesquisa cênica] também fez a direção dos solos (2016) Pulso a partir da vida e da obra de Sylvia Plath, (2016) A Dor a partir de La Douleur de Marguerite Duras e, Rosa Choque (2021) poema cênico musical virtual da dramaturga Dione Carlos.

Realizou “As Cartas de Agnès” cine-ensaio a partir da obra da cineasta Agnès Varda, apresentado no Festival CASA em Londres (2019). e, no último mês estava em cartaz com o espetáculo Humilhação direção Lucas Mayor e Marcos Gomes.

Sobre o VULCÃO [criação e pesquisa cênica]
Com o objetivo de colocar para fora o que lhes ferve por dentro, o VULCÃO [criação e pesquisa cênica] deseja aproximar diferentes linguagens, unindo dança ao teatro, literatura e vídeo e vê como motor catalisador – principal e determinante – o trabalho da/o intérprete. O VULCÃO tem desenvolvido projetos de investigação teatral a partir do deslocamento da literatura para a cena e da dramaturgia contemporânea de mulheres. Debruçando sobre o tema do espaço social da mulher, realizou obras a partir da obra de grandes autoras do século XX, como Clarice Lispector, Sylvia Plath, Marguerite Duras e Virginia Woolf. Esteve como residente artístico do Programa Obras em Construção da Casa das Caldeiras, promoveu treinamento para artistas e desenvolveu ações reflexivas como o jantar-pensamento R U M I N A R. Os espetáculos criados fizeram diversas temporadas na cidade de São Paulo e em São Caetano do Sul, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro. Festivais presenciais e on-line permitiram extrapolar fronteiras mais distantes. Desde 2018, o VULCÃO [criação e pesquisa cênica] tem parceria com a produtora CORPO RASTREADO.

Ficha Técnica:

Proposição, dramaturgismo, interpretação e direção: Vanessa Bruno
Assistente de direção: Luiz Felipe Bianchini
Preparação vocal: Paula Mihran
Preparação musical: Zeca Loureiro
Cenário, adereços e figurinos: Anne Cerrutti
Cenotécnica: Diego Dac
Trilha sonora: Edson Secco
Iluminação: Fernanda Guedella
Vídeos: Gabriela Rocha
Voz gravada: Fabrício Licursi
Produção: Corpo Rastreado | Lud Picosque e Anderson Vieira
Apoio: Casa das Caldeiras e Jarro
Realização: VULCÃO [criação e pesquisa cênica]
Assessoria de Imprensa: Canal Aberto Comunicação | Márcia Marques

 

29 de março haverá tradução em libras

Logo após as apresentações, estão programados debates com a atriz e influencer Tarcila Tanhãs (29 de março) e com um convidado a confirmar no dia 5 de abril

 

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

 

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 29/03/2023 até 05/04/2023

Dias

qua 19h

Duração

50 minutos

Valor

Gratuito - retirar na bilheteria 1 hora antes do espetáculo

Região

Zona Leste / São Paulo

Teatro / Espaço

Teatro Flávio Império
R. Prof. Alves Pedroso, 600, Cangaiba, São Paulo/SP - 03721010

Estacionamento

No local

Cafeteria

Não

Telefone

(11) 2621-2719

E-mail

teatroflavioimperio@gmail.com

12

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 12 anos

Galeria de fotos
Compartilhar em

Você pode se interessar

100% CACAU

Depois do sucesso na TV e no cinema, Cacau Protásio quer levar toda sua alegria para os palcos do Brasil. No espetáculo 100% Cacau, seu primeiro stand up comedy, promete boas gargalhadas do público com histórias hilárias reunidas em sua trajetória. No espetáculo, Cacau fala sobre sua infância, a família, a adolescência, a dificuldade em namorar, o jeito sapeca de menina. Conta histórias, prende a atenção, deixa o teatro leve, com direito a risadas e aplausos em cena aberta, vez ou outra. Ela sabe o que faz. E exerce da melhor forma seu ofício.

de 20/08/2024 a 27/08/202460 minà partir de R$ 50Em breve
  • Terça21h
  • Terça21h
Teatro Sabesp Frei Caneca

QUASE INFINITO

Em cinco atos, Quase Infinito representa grandes enfrentamentos da condição humana inspirados no universo de Jorge Luis Borges: o confronto com a tentação do ódio; o confronto com o nada e o esquecimento, como ameaças de esvaziamento de si próprio e do mundo; o confronto com a incomunicabilidade; e as chances de renascimento disponíveis para agarrarmos, a cada novo dia. Um corpo pode ser condição de partida, mas não garante que existimos. Em cada ato humano há um corpo em luta, lançado à busca de realizar a própria existência, e ao mesmo tempo, à beira de se entregar ao gozo da própria miséria.

de 09/08/2024 a 22/09/202475 minà partir de R$ 60Em breve
  • Sexta20h30
  • Sábado20h30
  • Domingo18h
Teatro FAAP

SUBTERRÂNEA: UMA FÁBULA GROTESCA

Em Subterrânea: uma fábula grotesca, Juliana utiliza-se do mascaramento, para dar vida a uma mulher-cigarra, personagem conservadora, que espelha a trajetória e as funções exercidas pela mulher em um ambiente patriarcal. No palco, o público acompanha exatamente o desenrolar do ciclo de vida da cigarra. Ela, pelo bem da espécie, repete o próprio sistema que a reprime, mantendo assim, a ordem natural das coisas, acreditando que a sobrevivência depende do cumprimento das obrigações que o próprio sistema impõe.

de 21/06/2024 a 30/06/202440 minGratuitoEm breve
  • Sexta20h
  • Sábado20h
  • Domingo18h
Teatro Arthur Azevedo

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.