Você está na cidade de:

ANTÍGONA

ANDREA BELTRÃO RETORNA AO TEATRO POEIRA COM ANTÍGONA

Vista por mais de 40 mil espectadores, recriação do clássico de Sófocles rendeu à Andrea o Prêmio APCA de Melhor Atriz em 2017

Sucesso absoluto de público, com mais de 40 mil espectadores desde a estreia e vencedor do APCA de Melhor Atriz para Andrea Beltrão, em 2017, a peça Antígona retorna ao Teatro Poeira para uma curta temporada. A montagem do texto de Sófocles, traduzido por Millôr Fernandes, tem dramaturgia assinada a quatro mãos por Andrea Beltrão e Amir Haddad, que assina também a direção.

Escrita por Sófocles há 2.500 anos, a história passada em Tebas fez tanto sucesso na época, que o público ateniense ofereceu ao autor o governo de Samos, uma das ilhas gregas. O espetáculo traz Andrea Beltrão como a personagem-título da trama – a jovem princesa que enfrenta a ordem do rei Creonte de deixar seu irmão, que lutou na guerra, sem sepultura. Mas ao contrário do autor original, que partiu do mito já conhecido para o teatro, parte-se do teatro para chegar ao mito que dá nome ao espetáculo. Ao desobedecer a determinação real, ela paga com a própria vida. É estabelecido, então, o confronto entre o Estado e o cidadão.

“Todos esses mitos que povoavam o imaginário grego, como Antígona, faziam parte do dia a dia do povo, funcionavam como um bem público”, analisa o diretor Amir Haddad, assinalando que, quando o teatro se estabeleceu, naquele tempo, como uma forma de expressão artística, todos já conheciam o que seria representado. “Sófocles se apoderou da história e escreveu esse texto. O que Andrea e eu fizemos foi partir das informações da peça para chegarmos ao mito.”

Na opinião da atriz, um texto clássico, como este, não é de interpretação complicada. As narrativas embaralham as emoções por ir direto ao coração, à memória, e aos sentimentos. “Como um texto escrito há 2.500 anos pode falar exatamente sobre o que eu sinto agora? Não é a gente que lê o texto da tragédia grega, é a tragédia grega que lê a gente, por isso não precisamos ter medo de não entendê-la. Faz parte de nós, enriquece, questiona, exige que tentemos mais uma vez”, analisa.

Para ela e o diretor, essa montagem transpira atualidade gigantesca. “Fala da liberdade do cidadão diante do poder do Estado, e de como isso atinge a vida mais ancestral do ser humano”, observa Haddad. “A peça se dá nessa reflexão feita por ator e público sobre a história, por meio de uma excelente narradora, que é a Andrea”, completa.

Em diálogo com a plateia em ritmo acelerado, conectado ao movimento do mundo contemporâneo, a atriz se utiliza de recursos mínimos, como uma echarpe vermelha ou um casaco, para desenrolar a trama e, assim, ir povoando o palco com os personagens interpretados por ela mesma. Andrea os apresenta, quase que didaticamente, antes de representá-los, permitindo ao público adensar o seu conhecimento da história e traçar paralelos com a atualidade.

Igualmente, a cenografia apresenta linguagem moderna e reforça a atuação da artista entre os atos de narrar e representar este mito, em cenas que se desenvolvem diante de uma espécie de árvore genealógica, em forma de mural. Uma cadeira, uma escada, uma mesa e um amplificador para o som com microfone, complementam o cenário. A proposta é restaurar a força popular do teatro.

Andrea Beltrão Iniciou a carreira no Teatro Tablado em 1978, interpretando o personagem João Grilo, da peça O Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna. No início da década de 1980, integrou os grupos teatrais O Arco da Velha, Manhas e Manias, Manhas de Cabaré.

Recebeu o Prêmio Shell de melhor atriz pela peça A Prova (2002). Em 2005, ao lado de Marieta Severo, fundou o Teatro Poeira no Rio de Janeiro. Em 2008, ganhou o prêmio de melhor atriz por sua atuação, na peça As Centenárias.

De 2017 a 2019 o espetáculo viajou o Brasil, aclamado pela crítica e sucesso de público. Em 2021, estreou o espetáculo O Espectador, ao lado de Marieta Severo, Renata Sorrah e Ana Baird, que lhe rendeu indicações ao Prêmio Cesgranrio de Teatro e Prêmio Shell de melhor atriz.

FICHA TÉCNICA:

Autoria: Sófocles
Dramaturgia: Amir Haddad e Andrea Beltrão
Direção: Amir Haddad
Com: Andrea Beltrão
Tradução: Millôr Fernandes
Iluminação: Aurélio de Simoni
Figurino: Antônio Medeiros
Direção de Movimento: Marina Salomon
Ambientação e Projeto Gráfico: Fabio Arruda e Rodrigo Bleque
Trilha Sonora: Alessandro Persan
Operação de Luz e Som: Bruno Aragão
Produção: Boa Vida Produções Artísticas
Realização: Trígonos Produções Culturais
Direção de Produção: Carmen Mello
Produção e Mídias Sociais: Nicolle Meirelles

Agradecimentos: Marieta Severo, Aderbal Freire-Filho, Fernanda Torres, Fernando Philbert, Marilena, Laura, Chico, Rosa, Zé, Antônio, Mauricio, Ana Cristina Manfroni.

OBS. Há possibilidade de ingressos de ARQUIBANCADA** para todos os dias de espetáculo, somente na bilheteria do Teatro.
**ARQUIBANCADAS não acessíveis à pessoas portadoras de deficiências ou com mobilidade reduzida.

 

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

 

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 09/03/2023 até 30/04/2023

Dias

qui a sáb 21h, dom 19h

Duração

60 minutos

Valor

R$100 inteira / R$50 meia

Região

Zona Sul / Rio de Janeiro

Teatro / Espaço

Teatro Poeira
R. São João Batista, 104, Botafogo, Rio de Janeiro/RJ - 22270030

Estacionamento

Nas redondezas

Cafeteria

Não

Telefone

(21) 2537-8053

E-mail

teatropoeira@teatropoeira.com.br

14

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 14 anos

Galeria de fotos
Compartilhar em

Você pode se interessar

MÃE DE SANTO

Mãe de Santo" chama a atenção do olhar com os olhos de ver. A peça é baseada nas vivências da filósofa, escritora e professora Helena Theodoro e de outras mulheres, como a própria atriz que a interpreta, Vilma Melo, por meio de uma personagem muito empoderada, que, ao dar uma palestra internacional, entrelaça as histórias, provocando sobre o que realmente interessa contar e mostrar. O que se espera de uma mulher que nunca foi uma coisa só? Mãe, professora, empregada, mãe de santo, estudante. Quantas histórias cabem em uma única vida?

de 24/05/2024 a 24/05/202450 minGratuitoEm breve
  • Sexta20h
Teatro Flávio Império

LÓTUS

Lótus é um espetáculo que tem como ponto de partida a poética feminina. É sobre mulheres que desejamos falar, em especial sobre a realidade afetiva das mulheres negras. Em cena, o universo de mulheres que trazem histórias que são invisibilizadas pelo patriarcado subjacente. A peça trata de amor, superação, beleza e vida, isto dentro de um contexto de hipersexualização dos corpos femininos, além de contar os caminhos que essas mulheres encontram para resistir e (re)existir. O espetáculo é um convite para refletir sobre a afetividade nas relações, um chamado para ressignificar o olhar sobre o sagrado feminino e masculino.

de 10/05/2024 a 02/06/202460 minà partir de R$ 12Últimos Dias
  • Sexta21h30
  • Sábado18h30
  • Domingo18h30
Sesc Ipiranga

MEU NOME: MAMÃE

A peça atravessa emocionalmente com cronologia própria uma jornada de vida do ator ao lado da sua mãe e da sua família. Aury Porto evoca e invoca lembranças, histórias, canções e construções acerca da travessia de um filho diante do adoecimento da mãe. A doença de Alzheimer, que acomete cada vez mais brasileiros, é narrada no espetáculo em experiências que, por muito íntimas, se tornam universais.

de 03/05/2024 a 31/05/202455 minà partir de R$ 35Últimos Dias
  • Quinta20h
  • Sexta20h
  • Quinta20h
  • Sexta20h
Ágora Teatro

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.