Você está na cidade de:

AOS SÁBADOS

Uma abordagem sobre o Alzheimer, o amor e as riquezas do cotidiano em família

A peça ‘Aos sábados’ conta a história de Jandira e suas duas filhas, Regina e Malu, ao longo de três décadas. A peça é dividida em três atos e mostra o amor entre as personagens que vivem alegrias e dores, e os altos e baixos da relação familiar. Os encontros divertidos que elas têm todos os sábados passam a ter novos tons quando o Alzheimer acomete Jandira. Mas com ternura, esperança e improvável otimismo, essas mulheres juntas enfrentam a doença de maneira surpreendente.
O Alzheimer e sua marca na história familiar são tratados com leveza e sensibilidade, mostrando que com amor e coragem, as adversidades podem ser enfrentadas e que acolher é a melhor forma de suportar a ausência de consciência do parente que está doente.

Ficha Técnica:

Texto e Idealização: Adyr de Paula
Direção: Danilo Salomão
Elenco: Nedira Campos, Nina da Costa Reis e Isabel Castelo Branco
Participação: Sophia Fried e Pedro Baião
Assistente de Direção: Ivan Pinto
Iluminação: Rogério Wiltgen e Wagner Azevedo
Direção Musical: Marcelo Alonso Neves
Figurino: Fernando Vieira
Cenografia: André Sanches
Voz em off: Robson Castro
Fotos divulgação: Giovanna Almeida
Assessoria de imprensa: MVigo Assessoria de Comunicação
Comercialização: Frankfurt Produções
Direção de Produção: Maria Ines Vale Produções
Realização: Adyr de Paula

Detalhes da peça

Status

Em cartaz

Temporada

De 06/04/2024 até 28/04/2024

Dias

  • Sábado19h
  • Domingo19h

Duração

95 minutos

Valor

R$90 (inteira) / R$45 (meia) / R$35 (ingresso a preço popular)

Região

Zona Sul / Rio de Janeiro

Teatro / Espaço

Teatro Fashion Mall
Estr. da Gávea, 899, São Conrado, Rio de Janeiro/RJ - 22610001

Estacionamento

Cafeteria

Sim

Telefone

(21) 99857-8677

E-mail

teatros@teatros.art.br

12

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 12 anos

Galeria de fotos
Fotos por Divulgação
Compartilhar em

Você pode se interessar

UM DIA, UM RIO

Espetáculo cênico musical que narra a vida de um rio, desde seu nascimento como um riacho à exuberância de suas águas que desenham lindas paisagens. Ao longo de seu percurso, encontra um grande desafio para preservar suas águas, as formas de vida que abriga e as que surgem ao redor. A peça é inspirada no livro de mesmo nome, de Leo Cunha e André Neves, e apresenta um lamento, um grito de socorro tardio de um rio indefeso que não tem como reagir à lama da mineração que destrói suas águas. Com lirismo e contundência aborda o desastre ambiental que destruiu a Bacia do Rio Doce, em 2015.

de 16/03/2024 a 11/05/202450 minà partir de R$ 10Em cartaz
  • Sábado11h
Teatro Anchieta - Sesc Consolação

BÓRIS NÃO ESTÁ PRONTO

Bóris não é um indivíduo, Bóris não é um personagem, Bóris não é uma pessoa. Boris é o nome que encontramos para batizar todos os homens. Bóris é a síntese da masculinidade, um ser inacabado. O fato de 'não estar pronto' marca a esperança e seu caráter histórico, marca sua precariedade e errância. Esta negação dirige-se a possível interlocução que espera ou vaticina a finitude da masculinidade como algo rotulável e estanque. Não se trata de exaltação ou condenação, mas do mergulho humanizador nas crostas brutalizadas e, ao mesmo tempo, frágeis do mundo dos homens. “Bóris” é um vir a ser, algo em movimento, em busca de um encontro. Quatro atores se dividem em cena para apresentar fragmentos de situações exemplares da construção do ser homem, do imaginário e da cultura machista. Com foco nas fragilidades do homem, na tortura do machismo sobre a masculinidade e nas consequências da perpetuação desta mazela social e histórica, a peça se ampara na forma lírica e épica. Abre mão de personagens fixos e opta pela profusão de tipos que compõem um mosaico do macho.

de 12/04/2024 a 04/05/202465 minGratuitoEm cartaz
  • Sexta20h
  • Sábado20h
CDC Vento Leste

SRA. KLEIN

As histórias familiares da psicanalista austríaca Melanie Klein (1882-1960) exercem fascínio no mundo todo e a peça já foi encenada no Brasil duas vezes — nos anos 1990, com Ana Lúcia Torre, e, em 2003, com Nathália Timberg à frente do elenco, ambas sob a direção de Eduardo Tolentino de Araújo. Foi ao assistir à segunda montagem de Tolentino que Ana Beatriz Nogueira desejou pela primeira vez viver a personagem-título. Vivida agora por Fernanda Vasconcellos, a personagem Melitta, filha de Klein, expõe os conflitos entre mãe e filha, o fio condutor do espetáculo. Neste recorte, ambas as personagens precisam encarar a morte de Hans, o filho/irmão mais novo que acaba de morrer.

de 04/05/2024 a 30/06/202494 minà partir de R$ 80Em breve
  • Sábado21h
  • Domingo19h
Teatro Bravos - Complexo Aché Cultural

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.