Você está na cidade de:

ENSAIOS PERVERSOS

Ensaios Perversos ocupa Espaço Cultural CITA com bate-papo, performances e festa para dançar

Em “Poéticas da Flacidez: o corpo gordo na cena”, Gal Martins e Rosângela Alves compartilham as questões poéticas e políticas dos fazeres dançantes de corpos e corpas gordas e pretas na cena, expressas na pesquisa coreográfica realizada pela Zona Agbara e seus desdobramentos. Nos mais de seis anos circulando por diversos estados do país e dando o que falar com seus trabalhos, pautados para valorizar e dar visibilidade à produção artística de mulheres pretas e gordas, o Zona Agbara – que em yorubá significa Potência e Força – tem a dança como principal ferramenta de transgressão e afirmação estética, provocando o surgimento de novos olhares e discussões dentro do cenário artístico.

O SM Crew (Street Movement Crew), grupo que se articula e se fortalece por meio das linguagens das
Danças Urbanas e Contemporânea como forma de expressão, inicia o bloco ‘Preliminares’ com uma
Intervenção Urbana seguindo seu histórico de apresentações, que propõem a discussão de temáticas
LGBTQIA+ periféricas. Sob o lema “nossa existência é o que faz a nossa resistência”, o coletivo
evidencia corpos que vivem nas bordas da sociedade e faz refletir sobre o estigma a que esses
corpos marginalizados são submetidos.

Na sequência, o núcleo de pesquisa e criação Peculiares (ex Cia Street Son) apresenta “Falem
Comigo”, proposta cênica oriunda do encontro entre a cultura surda e a dança. Formado no bairro de
Perus, tendo como base de sua essência o Breaking, no decorrer dos 13 anos de existência, o grupo
acabou por aprofundar e mesclar outros saberes artísticos, criando trabalhos como “Clássicos das
Ruas”, “Sentindo na Pele” e “Falem Comigo”.

Até às 21h30, MC Lalão do TDS e DJ Aghata dividem o ‘Dance Floor’, com muito funk e música
eletrônica. Cria do funk paulista, MC Lalão do TDS é Larissa Manoel. Preta, periférica e sapatão,
nascida no Taboão da Serra, a artista tem como temas para o seu trabalho a auto-estima, o progresso
e a maloqueragem, a exemplo dos seus singles “Princesa do Gueto”, “Papaléguas” e “Maloca”.
DJ Aghata surge das ondas sonoras graves dos sound systems. Produtora musical, cantora e
sonoplasta do extremo sul de São Paulo, apresenta atmosferas hipnóticas e dançantes, do universo
da música eletrônica. Deep Dubs, UK Techno, House, Dubtechno e Break são algumas das linhas
exploradas pela artista, que mescla suas produções musicais e tracks de sua pesquisa a intervenções
vocais em meio a reverbs e delays.

PROGRAMAÇÃO:

16h – Conversa sem fim – “Poéticas da Flacidez: o corpo gordo na cena”, com Rosângela Alves e Gal Martins / Zona Agbara;
18h – “Preliminares 1” – apresentação de “Intervenção Urbana”, com SM Crew (Street Movement Crew);
18h30 – “Preliminares 2” – apresentação de “Falem Comigo”, com Núcleo de Pesquisa e Criação Os
Peculiares;
19h – “Dance Floor” – MC Lalão de TDS e DJ Aghata (até 21h30).

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 28/04/2024 até 28/04/2024

Dias

  • Domingo16h às 21h30

Duração

330 minutos

Valor

Gratuito

Região

Zona Sul / São Paulo

Teatro / Espaço

Espaço Cultural CITA
R. Aroldo de Azevedo, 20, Jardim Bom Refugio, São Paulo/SP - 05788230

Estacionamento

Cafeteria

Não

Telefone

(11) 5844-4116

E-mail

programacao.cita@gmail.com

L

Classificação indicativa

Classificação Livre para todas idades

Galeria de fotos
Fotos por Divulgação,Lua Santana
Compartilhar em

Você pode se interessar

MC DIVERTIDA E SUA TURMINHA

Com histórias, músicas e muita energia, Maria Clara é um exemplo de alegria, superação e autoestima. Comunicativa, ela destrói estereótipos e quebra preconceitos, celebrando suas qualidades únicas e promovendo a inclusão de crianças. Além das coreografias, as crianças aprendem sobre empatia, boas práticas na internet e sobre saúde, sempre com muitas risadas. Para a equipe de criação do show, é uma oportunidade de falar de coisas essenciais para a primeira infância, unindo a tais assuntos a leveza e espontaneidade da turma. Em um dos momentos mais emocionantes do show, MC Divertida e Jéssica cantam uma música dedicada à amizade, mostrando a importância dos amigos na vida das crianças. Para a plateia, é um momento inesquecível que celebra os laços que fazemos na vida.

de 13/07/2024 a 13/07/202470 minà partir de R$ 30Em breve
  • Sábado14h e 17h
Teatro Sabesp Frei Caneca

EPIFANIA

O propósito de movimento é resgatar a beleza e virtuose de saltos, giros e linhas do ballet clássico em um corpo do século XXI, com uma nova roupagem de vivência e bagagem da dança contemporânea, nesse contexto a pesquisa corporal inclui sincronismo aplicado em movimentos com desarticulação, quebra de linha de rigidez e técnica de chão, dentro de um padrão de continuidade anatômica. Assim, as sapatilhas de ponta se tornam ferramentas para a dança contemporânea. O cenário é composto por várias portas brancas com suas respectivas fechaduras, que conforme se encaixam, criam um desenho abstrato com formas e intenções diversas que representam as portas para captação de estímulos externos e acesso interno individual de cada pessoa.

de 07/06/2024 a 09/06/2024 minGratuitoEm breve
  • Sexta21h
  • Sábado21h
  • Domingo19h
Teatro Paulo Eiró

MUTAÇÃO DE APOTEOSE

Terceiro sinal, CaciIda Becker se prepara para encarnar Euclides da Cunha, devorado, estraçalhado, parindo uma Cacilda Cósmica que viaja em uma onírica odisseia pelas Eras geológicas e teatrais. “mutação de apoteose” conta uma história de travessias e metamorfoses. É o teatro em estado de feitiçaria, é uma f(r)icção cósmica que contracena personagens humanas, não humanas, elementos e forças da natureza, seres encantados, oceano cretáceo e inteligência artificial, criando uma bomba de imaginação. São algoritmos antigos de insurreição da terra criando atmosferas de linha direta com o público, em contracenação com um algoritmo colonial. Com direção de Camila Mota e dramaturgia de Cafira Zoé, “mutação de apoteose” é um spin-off vertiginoso criado a partir das dramaturgias de “Os Sertões” e “Odisseia CaciIda”, de José Celso Martinez Correa e Teat(r)o Oficina, com cenas inéditas e outras paragens, celebrando os 65 anos da Cia e a direção de Camila Mota, primeira mulher a dirigir um espetáculo do Oficina, abrindo caminhos para outras direções, como de Marília Piraju e Mayara Baptista, em ritos e shows encenados. Com 100 pessoas na ficha técnica girando a máquina dessa uzyna, “mutação de apoteose” é um espetáculo musical em 2 atos, um acontecimento feiticeiro que opera o terreyro eletrônico na sua máxima potência, desejando acender estados de mutação de apoteose dentro e fora de nós.

de 12/04/2024 a 09/06/2024150 minà partir de R$ 45Em cartaz
  • Sexta20h
  • Sábado20h
  • Domingo18h
Teatro Oficina Uzyna Uzona

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.