Você está na cidade de:

ERA UMA VEZ UM TIRANO

Grupo Prole faz novas apresentações do infantil Era Uma Vez um Tirano

As pessoas viviam felizes no seu país. Cantavam, trabalhavam, conversavam, discutiam e tinham ideias. Até que apareceu um certo tirano, que resolveu mudar tudo e atrapalhar a liberdade dessas pessoas. Reclamou das cores e até das estrelas. Se não fossem aquelas crianças…

Ficha Técnica:

Grupo Prole de Teatro apresenta:
Era uma vez um Tirano… de Ana Maria Machado
Direção: Bete Dorgam
Adaptação do texto: Grupo Prole
Elenco: Angela Ribeiro, Bruna Aragão, Fernanda Assef e Sidney Santiago
Stand in: Katia Naiane e Diego Garcias
Música ao vivo e Direção Musical: Alexandre Mello
Cenário e figurino: Grupo Prole
Iluminação: Felipe Tchaça
Técnico de som e músico stand in: Danilo Pinheiro
Assistência de direção: Katia Naiane

*Cada apresentação será seguida de debate com a equipe artística

OFICINAS
Explorando a Arte dos Jogos Teatrais: Oficinas de Empatia e Trabalho em Grupo para
Crianças e Adultos
Ingressos: grátis. inscrições pelo email grupo.prole@gmail.com. Enviar nome e idades dos participantes e colocar no título do email “OFICINA JOGOS TEATRAIS – local e data”
Classificação: Livre
Duração: 60 minutos
Teatro Alfredo Mesquita
Quando: 6 de julho, sábado, às 17h30
Endereço: Av. Santos Dumont, 1770, Santana

ON-LINE
Era Uma Vez Um Tirano, do Grupo Prole

de 15 de maio a 15 de agosto
Duração: 40 minutos

Detalhes da peça

Status

Em breve

Temporada

De 29/06/2024 até 07/07/2024

Dias

  • Sábado16h
  • Domingo16h

Duração

45 minutos

Valor

Grátis - Distribuídos 1h antes de cada sessão

Região

São Paulo /

Teatro / Espaço

Teatro Alfredo Mesquita
Av. Santos Dumont, 1770, Santana, São Paulo/SP - 02012010

Estacionamento

No local

Cafeteria

Sim

Telefone

(11) 2221-3657

E-mail

curadoria.teatros@gmail.com

L

Classificação indicativa

Classificação Livre para todas idades

Galeria de fotos
Fotos por Marcello Vitorino
Compartilhar em

Você pode se interessar

UM JAGUAR POR NOITE

Em “Um Jaguar por Noite”, as atrizes, os atores e a equipe técnica do 28 Patas Furiosas preparam o espaço cênico para dormir, enquanto elaboram reflexões sobre a dificuldade do sono nas cidades e se arriscam ao tentar lembrar de sonhos perdidos em suas memórias. No plano onírico, um grupo de pessoas decide alugar uma casa no campo para celebrar algo do qual não se lembram mais. Nesta casa, as pessoas são surpreendidas pela noite, e veem o encontro festivo ganhar contornos oníricos que entortam a realidade: a casa se desloca para um cemitério, cruza com dois rios e leva as pessoas para o topo de uma montanha rodeada por uma onça.

de 14/06/2024 a 30/06/202490 minà partir de R$ 15Últimos Dias
  • Sexta21h
  • Sábado21h
  • Domingo18h
Espaço 28

HILDA E CAIO

Peça ficcional baseada em episódios e personagens reais. No início da década de 70, perseguido pela ditadura civil-militar em virtude de sua literatura homoerótica, Caio Fernando Abreu exila-se na Casa do Sol, residência campestre de Hilda Hilst em Campinas, antes de fugir para a Europa. Diante dos acontecimentos recentes, ele decide parar de escrever e acaba confrontado pela amiga, que, mesmo desencantada pela falta de leitores e pela crise editorial, acredita que os dois têm a missão de continuar produzindo literatura.

de 26/06/2024 a 26/06/202465 minGratuitoEm breve
  • Quarta21h
  • Quarta21h
Teatro Cacilda Becker

BÓRIS NÃO ESTÁ PRONTO

Bóris não é um indivíduo, Bóris não é um personagem, Bóris não é uma pessoa. Boris é o nome que encontramos para batizar todos os homens. Bóris é a síntese da masculinidade, um ser inacabado. O fato de 'não estar pronto' marca a esperança e seu caráter histórico, marca sua precariedade e errância. Esta negação dirige-se a possível interlocução que espera ou vaticina a finitude da masculinidade como algo rotulável e estanque. Não se trata de exaltação ou condenação, mas do mergulho humanizador nas crostas brutalizadas e, ao mesmo tempo, frágeis do mundo dos homens. “Bóris” é um vir a ser, algo em movimento, em busca de um encontro. Quatro atores se dividem em cena para apresentar fragmentos de situações exemplares da construção do ser homem, do imaginário e da cultura machista. Com foco nas fragilidades do homem, na tortura do machismo sobre a masculinidade e nas consequências da perpetuação desta mazela social e histórica, a peça se ampara na forma lírica e épica. Abre mão de personagens fixos e opta pela profusão de tipos que compõem um mosaico do macho.

de 07/06/2024 a 06/07/202465 minGratuitoEm cartaz
  • Sexta20h
  • Sábado20h
CDC Vento Leste

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.