Você está na cidade de:

EU TENHO UMA HISTÓRIA QUE SE PARECE COM A MINHA

Performance-instalação e livro concebidos pela artista reúnem histórias de quatro mulheres negras de diferentes gerações que trazem à tona a ancestralidade através da subjetividade. Em cena, Tetembua conversa com a sua avó, de 95 anos, sua mãe e sua irmã

As vivências de quatro mulheres negras de diferentes gerações foram retratadas pela performer e fotógrafa Tetembua Dandara no livro fotográfico Eu Tenho uma História que se Parece com a Minha. E esta obra também deu origem a uma performance-instalação homônima que pode ser conferida no Galpão do Sesc Pompeia.

A obra explora diferentes linguagens artísticas e toca questões familiares sensíveis. O trabalho fotográfico reúne vivências entre a artista e sua irmã Mafoane Odara, sua mãe Neuza Poli e sua avó Dirce Poli, resgatando a ancestralidade negra em diferentes tempos.

A instalação é construída em um espaço que remete o público a uma casa aconchegante, como uma casa de avó, com tapetes espalhados pelo espaço, plantas, um sofá e uma cozinha, onde são preparadas comidas das quais o público pode se servir, estabelecendo uma relação de aconchego e carinho. Segundo a artista, os visitantes poderão transitar por esses ambientes o tempo que desejarem. “A proposta é materializar, nesses cômodos, em um tempo espiralado, não linear, o que não cabe em uma foto”, explica Dandara.

Durante toda a apresentação, narrativas são resgatas, compartilhadas e reconstruídas, não só por meio da linguagem verbal, mas também através dos cheiros, da temperatura, das texturas, cores e sons presentes, convidando o público a transitar por essas diversas sensações.
Filha de pais militantes e fundadores do Movimento Negro Unificado, Tetembua Dandara, cujo nome significa “estrela da liberdade” em iorubá, conta que as questões da negritude sempre permearam sua formação artística e política, porém somente há 8 anos ela resolveu trazer essas pautas para a cena.
“Parto de foro muito íntimo que é família, com uma proposta de compartilhar, dentro de uma estrutura cênica. É para assistir, sim, mas você não vai numa festa pra ficar olhando, você vai para compartilhar o tempo e histórias com as pessoas que você quer perto”. “Esta performance, finaliza, é política, e vem da vontade de pensar e discutir a negritude para além dos estereótipos. Somos muito maiores que os lugares que querem nos limitar. Não precisamos contar só histórias de sofrimento, porque não celebrar essas mulheres em vida?”, reflete a artista.

Antes de chegar ao Sesc Pompeia, a performance-instalação foi apresentada na 31ª edição do Festival de Curitiba e no Itaú Cultural. O livro fotográfico, que foi selecionado pelo festival Zum de 2022, do Instituto Moreira Salles, será distribuído gratuitamente para o público nesta curta-temporada.
O projeto foi contemplado pela 2ª edição do Edital de Apoio à Cultura Negra para a cidade de São Paulo, da Secretaria Municipal de Cultura.

Sobre Tetembua Dandara
Tetembua Dandara é performer, fotógrafa e produtora cultural, bacharel em artes cênicas pela Unicamp e especialista em gestão cultural contemporânea pelo Instituto Singularidades e Itaú Cultural. Atua nas áreas do teatro e da dança contemporânea, dedica-se à produção em formatos horizontalizados com coletivos/grupos e parcerias de criação está envolvida nas criações artísticas dos coletivos ciadasatrizes (desde 2008), Cia LCT (desde 2010), Pérfida Iguana (2015) e Grupo do Trecho (desde 2017). Sua colaboração com Grupo MEIO, UltraVioleta_s, Leandro Souza, Grupo Folias D`Arte e Bruta Flor Filmes também ajuda a burlar o sistema e concretizar outros imaginários possíveis.

Ficha Técnica:

Concepção e Performance: Tetembua Dandara
Performance: Dirce Poli, Neuza Poli e Mafoane Odara
Pensamento Visual: Daniela Alves e Renan Marcondes
Fotos: Tetembua Dandara e Mariana Chama
Iluminação: Gabriele Souza
Cenotécnico e Técnico de Cena: Matias Arce
Técnico de Som: Cauê Gouveia
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Produção e Técnica de Cena: Mariana Dias e Tati Mayumi
Coordenação de Produção: Tetembua Dandara.

 

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 13/04/2023 até 16/04/2023

Dias

qui a sáb 20h, dom 17h

Duração

100 minutos

Valor

R$30 (inteira) / R$15 (meia) / R$10 (credencial plena)

Região

Zona Oeste / São Paulo

Teatro / Espaço

Sesc Pompeia
R. Clélia, 93, Água Branca, São Paulo/SP - 05042000

Estacionamento

Cafeteria

Sim

Telefone

(11) 3871-7700

E-mail

email@pompeia.sescsp.org.br

L

Classificação indicativa

Classificação Livre para todas idades

Galeria de fotos
Compartilhar em

Você pode se interessar

ILLUSION SHOW – UMA JORNADA MáGICA

Com performances impactantes, prometem desafiar o impossível de forma inteligente e com o uso da alta tecnologia. Com mais de 15 anos de carreira, os brasileiros Henry e Klauss vem surpreendendo o mundo com seus impressionantes números de ilusionismo. Após pré-estreia com shows esgotados em Porto Alegre, os ilusionistas agora se preparam para uma série de apresentações do seu novo espetáculo, em São Paulo.

de 29/06/2024 a 27/07/202490 minà partir de R$ 40Em cartaz
  • Sexta20h30
  • Sábado17h e 20h
  • Domingo15h e 18h
  • Sexta20h30
  • Sábado17h e 20h
  • Domingo15h e 18h
Teatro VillaLobos

O QUE TEM NA COZINHA

Unindo teatro e gastronomia o espetáculo O QUE TEM NA COZINHA, proporciona uma viagem dramatúrgica e gustativa, dividida em 5 atos, cada um deles abordando um dos sentidos: olfato, audição, visão, paladar e tato e traz histórias e memórias de chefs e cozinheiros profissionais e amadores relatando sua paixão pela gastronomia. Nesse ambiente sensorial, o público poderá degustar além das histórias, um prato a cada ato, complementando a experiência multisensorial que o espetáculo busca proporcionar. O menu degustação de 5 tempos foi elaborado pelo chef de acordo com cada história e é opcional.

de 17/07/2024 a 29/08/202455 minà partir de R$ 190Em breve
  • Quarta20h
  • Quinta20h
MoDi Giardino Restaurante

PORANGAS: ONDE SE GUARDAM HISTÓRIAS

A Princesa Esperança é uma personagem negra. Ela reuniu sua corte para rodar o mundinho para contar histórias. Histórias daqui e de acolá, trazidas pelos ventos e guardadas em porangas. O objetivo desta proposta é oferecer contações de histórias encenadas e no final da narrativa, realizar uma dinâmica com brincadeiras para envolver a platéia.

de 21/07/2024 a 21/07/202460 minGratuitoEm breve
  • Domingo17h
Sesc Santo Amaro

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.