Você está na cidade de:

LESTE

COM DIREÇÃO DE MARTHA KISS PERRONE LESTE VOLTA À CASA DO POVO.

Filme-instalação que transita entre teatro, cinema e música revisita memórias para falar da atualidade. Público é levado para as ruínas do Teatro TAIB seguido de uma imersão entre duas telas com projeções diferentes. A cantora e atriz Assucena, indicada ao Prêmio Shell de Teatro, integra o elenco

Um teatro em risco, um filme feito dentro de um teatro falando sobre o próprio fazer teatral, um teatro em ruínas, uma fábula com linguagem contemporânea. LESTE, a mais recente produção da Casa do Povo que conta com Martha Kiss Perrone na adaptação, direção e dramaturgia, volta para mais uma temporada a partir de 14 de março, terça-feira, às 20h, no próprio Centro Cultural do Bom Retiro. O filme-instalação traz à cena o processo de criação de um espetáculo em uma experiência híbrida com várias linguagens artísticas.

Idealizado por Benjamin Seroussi e Hugueta Sendacz, LESTE surge a partir da peça de teatro iídiche Um Sonho de Goldfadn, de Jacob Rotbaum, diretor judeu polonês que desembarcou no Brasil em 1948 após a Segunda Guerra e fez sua montagem no Teatro Municipal com atores ligados à Casa do Povo então em construção. A convite da Casa do Povo, a diretora Martha Kiss Perrone reimaginou a peça a partir do texto original, dialogando com os tempos de hoje.

LESTE marcou a estreia da cantora Assucena como atriz. Indicada ao Prêmio Shell de Teatro pelo espetáculo Mata Teu Pai, Assucena divide a cena com Amanda Lyra, André Lu, Heitor Goldflus, Rodrigo Bolzan e Vitória Faria. O filme-instalação começou a ser gestado como peça de teatro. A ideia inicial era ter uma montagem com atores e músicos e um filme realizado ao vivo que acontecesse em vários espaços da Casa do Povo, levando o público a percorrê-los. Com a pandemia, o espetáculo migrou para o cinema, mas manteve o conceito original de instalação imersiva. “LESTE é o teatro em exílio no audiovisual”, define Martha Kiss Perrone.

A obra multimidia conta a história de um teatro em risco, quando o diretor de um velho teatro em Varsóvia resolve tirar de seu repertório todas as peças iídiche depois que o ator principal é preso pela polícia política. Num delírio fantasmagórico, o contrarregra convoca então os próprios personagens e paisagens vindos do Leste Europeu das peças de Goldfadn, pai do teatro iídiche, para salvar o teatro, como artesãos, mascates, partisans, bruxas, mulheres em fuga e florestas.

Ruínas do Teatro TAIB
Mescla de instalação, teatro, cinema e música, LESTE leva o público para uma viagem por dentro do espetáculo e suas filmagens nos espaços da Casa do Povo. O prólogo acontece nas ruínas do Teatro TAIB vistas a partir do balcão do teatro desativado, que se encontra fechado há anos no subsolo do centro cultural do Bom Retiro. O público ouvirá gravações de textos e depoimentos dos atores, além de poder ver a cenografia das filmagens.

Na sequência, o público se desloca para o grande salão da Casa do Povo no segundo andar. O local terá duas telas que projetarão o filme simultaneamente (as mesmas cenas, mas com olhares diferentes), sendo que a plateia estará acomodada no meio. A instalação se completa com cenografia e iluminação pensadas para uma completa imersão dos espectadores.

Para Martha Kiss Perrone, que já criou e esteve em cartaz com alguns espetáculos na Casa do Povo, como Rózà, sobre a revolucionária Rosa Luxemburgo, Revolta Lilith e Quando Quebra Queima com a coletivA ocupação, LESTE é uma investigação de como levar ao público uma obra multimidia. “Estamos falando de uma língua que atravessou territórios, do ato de contar histórias e a luta do teatro para que essas histórias não sejam perdidas. Acredito que um dos temas principais do filme-instalação é a ruína, a linguagem, o teatro em risco e conexões que isso traz no nosso tempo”, explica a diretora.

Processo teatral e cinematográfico
Apesar de possuir toda a genealogia de um espetáculo teatral, LESTE transborda a fronteira da linguagem e usa todos os recursos do cinema reunindo artistas de diferentes trajetórias. Para transpor a fábula original de Rotbaum para o audiovisual, a obra ganhou integrantes de peso, como os diretores de fotografia Paula Serra e João Atala, que trabalhou com a diretora Petra Costa.

“A obra é um híbrido de teatro e cinema, pois por mais que seja um filme ele foi ensaiado e filmado em um teatro. As duas telas provocam o público dentro do filme, dentro do sonho desse guardião do teatro. Ficção e realidade se misturam em uma linguagem onírica, e ao mesmo tempo festiva”, enfatiza Martha Kiss Perrone.

A música também marca presença dentro desse processo de teatro e cinema. Criada durante os ensaios e as filmagens com direção de Juliano Abramovay, que buscou inspiração na música klezmer, um estilo musical típico das festas judaicas da Europa do Leste, a música também joga com a ambiguidade presente na obra, como passado e presente, partidas e chegadas, derrota e reconquista e sonhos e assombrações.

“Mais de 70 anos depois, essa montagem coloca o enredo original da peça em fricção com o tempo presente: movimentos sociais, diásporas contemporâneas, censuras e a importância de sonhar e do fazer teatral”, acredita Benjamin Seroussi. “O teatro ídiche sofreu um corte violento com os massacres da Segunda Guerra Mundial e nós aqui somos herdeiros de uma tradição que não nos foi ensinada, então é preciso reinventá-la! LESTE nasce nesta brecha!” completa Seroussi.

FICHA TÉCNICA:

Direção: Martha Kiss Perrone.
Adaptação e dramaturgia: Martha Kiss Perrone.
Roteiro filme: Martha Kiss Perrone em colaboração com João Turchi.
Colaboração roteiro: Murilo Hauser, Jaya Batista.
Textos: João Turchi, Icaro Pio, Amanda Lyra, Rodrigo Bolzan, Assucena Assucena, Hugueta Sendacz, Martha Kiss Perrone e trechos de Alain Brossat e Sylvie Klingberg (Yiddishland Révolutionnaire).
Texto Todos Os Santos: Ícaro Pio e André Lu.
Atores: Amanda Lyra, André Lu, Assucena Assucena, Heitor Goldflus, Rodrigo Bolzan, Vitória Faria, Ariane Aparecida, Nina Hotimsky, Ícaro Pio, Betty Poquechoque, Sonia Limachi Quispe, Yenny Rodrigues Cruz e Elizabeth Mariela Cuaremayta Mamani.
Direção musical: Juliano Abramovay.
Músicos: André Vac (violino e baixo), João Batista Brito (clarinete, sax tenor), Quiriku (clarinete) e Vitória Faria (sanfona).
Colaboração musical e tradução do texto original: Hugheta Sendacz.
Música adicional no filme: Álbum Aló de Juliano Abramovay e João Batista Brito.
Assistência de direção: Jaya Batista e Anelena Toku.
Preparação corporal: Jaya Batista.
Fotografia filme: Paula Serra e João Atala (primeira etapa filmagem) e Cris Lyra, Ariel Schvartzman e Paula Serra (segunda etapa filmagem).
Filmagem adicional: Janaína Wagner, Martha Kiss Perrone.
Assistente de câmera: Alicia Esteves.
Coordenação filmagem: Paula Serra.
Edição: Diego Arvate e Fernando Coster.
Desenho de som e mixagem: Edson Secco.
Tratamento de cor e finalização: Brunno Schiavon e Isabel Beitler.
Direção de arte e cenografia da instalação: Frederico Ravioli.
Assistência direção de arte: Maíra Suzuki.
Assistência direção de arte e de cenotécnica: Ìcaro Pio e André Melhado Araujo Lima.
Pintura: Frederico Ravioli, Gabriel Ussami e Maíra Suzuki.
Apoio cenotécnico: Jeff Lemes (primeira etapa filmagem).
Figurino: Gabriela Campos.
Assistente de figurino: Juliana Del Rosso e Ariane Aparecida Fachinetto.
Desenho de luz: Giulia Martini.
Assistente de iluminação: Bê Camelo e Felipe Stucchi.
Técnico implementação de luz: Pajeú.
Captação de som: Rafael Coutinho.
Assistente de captação de som: Vanessa Gusmão.
Condução de Iídiche: Gustavo de Oliveira Emos.
Direção de produção: Carla Estefan (ensaio e filmagem).
Produção executiva e coordenação finalização filme: Patricia Iglecio.
Assistente de produção: Juliana Mattar.
Estagiário de produção: André Melhado.
Gestão de projeto: Metropolitana Gestão Cultural e Casa do Povo.
Estagiários de produção: Chiara Iglecio e Letícia Karen.
Produção Casa do Povo: Marcela Amaral e Leonardo Monteiro.
Assessoria de imprensa: Frederico Paula – Nossa Senhora da Pauta.
Fotos: Paula Serra.
Operador de som temporada: Tomé de Souza.
Operador de vídeo e luz: Henrique Andrade.
Agradecimentos: Renato Sztutman, Jean Tible, Sarah Sztutman, Lia Sztutman, Suely Rolnik, Silvio Band, Fernando Nogari, Petra Costa, Monstercam, Pedro Farkas, Sonidera e Mendelics.
Apoio: Daniel Annenberg
Parceria: MAXI Áudio Luz Imagem, Electrica

Estreia dia 14 de março, terça-feira, às 20h.

 

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 14/03/2023 até 02/04/2023

Dias

qua a sáb 20h, dom 19h

Duração

90 minutos

Valor

Gratuitos com distribuição presencial 1 hora antes do início das sessões.

Região

Centro / São Paulo

Teatro / Espaço

Casa do Povo
Rua Três Rios, 252, Bom Retiro, São Paulo/SP - 01123000

Estacionamento

Cafeteria

Não

Telefone

(11) 3227-4015

L

Classificação indicativa

Classificação Livre para todas idades

Galeria de fotos
Compartilhar em

Você pode se interessar

TERRAPRETA A PEÇA (SONHO)

TERRAPRETA A PEÇA (Sonho) é um espetáculo de teatro inédito, inspirado em histórias originárias do Alto Xingu, e no livro Terrapreta, de Rita Carelli, obra vencedora do Prêmio São Paulo de Literatura 2022, que segundo Ailton Krenak “se revela um romance de formação para leitores que vislumbram outras cartografias do país, um livro para quem ainda não sabe o que é o Brasil”. Indígenas do Alto Xingu das etnias Kamayura e Yawalapiti, e artistas da cena teatral de São Paulo se unem na criação de um espetáculo único.

de 20/06/2024 a 30/06/202475 minà partir de R$ 15Em breve
  • Quarta20h30
  • Quinta20h30
  • Sexta20h30
  • Sábado20h30
  • Domingo19h
Espaço Parlapatões

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

A plateia terá a chance de conhecer o País das Maravilhas junto com Alice e os vinte personagens mais conhecidos da obra, misturando a linguagem do teatro clássico e o teatro de formas animadas. Ao mergulhar no buraco da árvore, atrás do Coelho Branco, Alice inicia uma viagem fantástica ao País das Maravilhas. Depois de passar pela fechadura de uma porta e encontrar o Jardim das Flores e a Lagarta, Alice é confrontada pelos personagens. Cena após cena, ela vai conhecendo os Gêmeos, Gato que Ri, Chapeleiro Maluco, Ratinha e Lebre Maluca, despertando inesgotáveis possibilidades criativas que existem em cada um de nós. As portas da imaginação e do pensamento são abertas, pois não existe, em qualquer idade, limite entre o sonho e a realidade.

de 02/07/2024 a 30/07/202455 minà partir de R$ 40Em breve
  • Terça15h
Teatro Uol

O MARINHEIRO

Sem a exata noção das horas no arrastar da noite negra, três figuras velam uma morta, seus corpos quase imóveis neste ambiente funesto. No entanto, suas mentes, libertas das amarras do real, vagam por um reino onírico conduzidas pelo fluxo dos diálogos. Da palavra surgem as angústias que as atormentam; conflitos que nascem e se instalam nas mentes e pensamentos das três. Durante a vigília, a segunda irmã narra um sonho sobre um marinheiro perdido em uma ilha deserta, que cria uma vida ilusória para si mesmo, imaginando um mundo inteiro para escapar da solidão e do desespero. Essa metáfora da condição humana reflete sobre o isolamento, a necessidade de criar significados e a fragilidade das percepções. À medida que a noite avança, as reflexões sobre a efemeridade da vida, a natureza dos sonhos e a busca por sentido dominam a conversa.

de 18/06/2024 a 18/07/202450 minà partir de R$ 25Em breve
  • Quarta21h
  • Quinta21h
Atelier Cênico

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.