Você está na cidade de:

NAQUELA NOITE EU OLHEI PELA JANELA E VI A LUA MORRER

Sinopse

A peça escrita e estrelada pelo ator Ricardo Brighi, com direção de Wesley Leal e do próprio Brighi, compartilha com o público algumas lembranças de um homem
de 60 anos, gay e solitário. Numa tarde, ele recorda o passado, questiona o presente e duvida do futuro. Trata-se de uma peça-denúncia sobre o envelhecer do gay numa comunidade onde o ideal de beleza e juventude são intensos demais.
Ricardo Brighi escreveu o texto motivado por fatos que viveu e depoimentos que leu e ouviu. Na narrativa, o personagem propõe uma reflexão e o diálogo sobre os
gays maduros que, por conta da idade e do corpo físico muitas vezes “imperfeito”, são excluídos da possibilidade de amar, de ter com quem compartilhar dias mais
felizes. “A eles sobra a janela aberta e, através dela, a companhia do vento, dos raios solares e da brisa da noite”, diz o autor em tom poético.
Para escrever o texto, Brighi foi pesquisar entrevistas, estudos, reportagens. Nelas constatou que a solidão é uma dor (ou não) que acompanha muitos gays,
especialmente os maduros. “Alguns aprenderam a conviver com ela e até gostam. Outros sentem o incomodo e a aflição da lacuna”, afirma o autor.
NAQUELA NOITE EU OLHEI PELA JANELA E VI A LUA MORRER é um monólogo costurado com linhas e retalhos diversos, autobiográficos e ficcionais.
O personagem não tem nome, pode ser qualquer um de nós. Os objetos que formam o cenário refletem o passado, a memória. O velho baú, talvez do fim do
século XIX, invade os tempos modernos e guarda recordações. Dentro dele cada objeto tem sua essência. Alguns precisam ser descartados. Alguns precisam ser
preservados. Cabe ao personagem decidir, escolher o que vai jogar fora. Talvez esteja aí a chave para a felicidade.

Direção

Direção: Wesley Leal e Ricardo Brighi

Ficha Técnica Completa

FICHA TÉCNICA:
Texto: Ricardo Brighi
Direção: Wesley Leal e Ricardo Brighi
Direção de produção: Ricardo Brighi
Elenco: Ricardo Brighi
Desenho de Luz: Agnaldo Nicoleti
Trilha sonora: Vinícius Alves
Fotos: Flávio Jardim
Realização: Carriola Cultural

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 22/10/2022 até 12/11/2022

Dias

Sexta-Feira 21h / Sábado 21h

Duração

50 minutos

Valor

de R$15 a R$30

Região

Centro / São Paulo

Teatro / Espaço

Teatro Commune
R. da Consolação, 1218, Consolação, São Paulo/SP - 01302001

Estacionamento

Ao lado

Cafeteria

Não

Telefone

(11) 3476-0792

E-mail

teatrocommune@commune.com.br

L

Classificação indicativa

Classificação Livre para todas idades

Galeria de fotos
Fotos por Flávio Jardim
Compartilhar em

Você pode se interessar

LEÃO ROSÁRIO

Leão Rosário é um espetáculo solo para ator, vozes e objetos inspirado em “Rei Lear”, obra prima da maturidade de Shakespeare e, no artista Arthur Bispo do Rosário. A trama trazida para a ancestralidade africana e ambientada na costa Atlântica de uma África atemporal conta a história de um velho rei que, ao abdicar e dividir seu vasto reino entre as filhas, toma uma decisão insensata com trágicas consequências. Com esta encenação, Adyr Assumpção celebra 50 anos de teatro.

de 24/05/2024 a 23/06/202460 minà partir de R$ 15Últimos Dias
  • Segunda19h
  • Quinta19h
  • Sexta19h
  • Sábado17h
  • Domingo17h
CCBB SP- Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo

EXAUSTA, EM CENA

Por meio do drama, a peça trata da existência exaustiva do jovem adulto moderno e das aflições de uma artista ao buscar pertencimento e reconhecimento por seu trabalho. Ela também discute a influência das redes sobre a vida e os sentimentos desse jovem, e a personagem vive um grande dilema com os números, likes e interações, que dão a ela uma falsa sensação de aceitação.

de 07/06/2024 a 21/06/202460 minà partir de R$ 25Últimos Dias
  • Sexta20h
  • Sexta20h
Teatro Horus - Centro Cultural OCA

SUBTERRÂNEA: UMA FÁBULA GROTESCA

Em Subterrânea: uma fábula grotesca, Juliana utiliza-se do mascaramento, para dar vida a uma mulher-cigarra, personagem conservadora, que espelha a trajetória e as funções exercidas pela mulher em um ambiente patriarcal. No palco, o público acompanha exatamente o desenrolar do ciclo de vida da cigarra. Ela, pelo bem da espécie, repete o próprio sistema que a reprime, mantendo assim, a ordem natural das coisas, acreditando que a sobrevivência depende do cumprimento das obrigações que o próprio sistema impõe.

de 21/06/2024 a 30/06/202440 minGratuitoEm breve
  • Sexta20h
  • Sábado20h
  • Domingo18h
Teatro Arthur Azevedo

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.