Você está na cidade de:

O CACHORRO QUE SE RECUSOU A MORRER

Centro Cultural Justiça Federal apresenta O CACHORRO QUE SE RECUSOU A MORRER

O texto oscila entre o drama e o humor, trazendo à cena uma cultura machista, forjada em dogmas religiosos que até hoje permeiam a maioria dos lares brasileiros. Em alguns momentos, projeções mesclam imagens criadas com fotos reais antigas, assim como da casa onde tudo se passou, o que acentua o clima dos escombros da memória. A forte presença da trilha sonora, marca a cultura árabe familiar. Não faltam ao espetáculo os gestos, a mímica e as pantomimas que emprestam emoção à palavra.

Ficha Técnica:

Criação, texto e atuação: Samir Murad
Direção: Delson Antunes e Samir Murad
Cenografia: José Dias
Figurino e adereços: Karlla de Luca
Desenho de Luz: Thales Coutinho
Trilha Sonora: André Poyart e Samir Murad
Direção de Movimento: Samir Murad
Videocenário: Mayara Ferreira
Assistente de direção: Gedivan de Albuquerque
Assessoria de Imprensa: Ney Motta
Programação Visual: Fernando Alax
Fotos: Fernando Valle
Produção executiva: Wagner Uchoa
Realização: Cia Teatral Cambaleei, mas não caí…

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 19/11/2023 até 17/12/2023

Dias

  • Domingo16h
  • Domingo16h

Duração

75 minutos

Valor

R$40 (inteira) / R$20 (meia)

Região

Centro / Rio de Janeiro

Teatro / Espaço

CCJF - Centro Cultural Justiça Federal
Av. Rio Branco, 241, Centro, Rio de Janeiro/RJ - 20040009

Estacionamento

Avenida Rio Branco 290

Cafeteria

Sim

Telefone

(21) 3261-2550

E-mail

imprensa.ccjf@trf2.jus.br

10

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 10 anos

Galeria de fotos
Fotos por Fernando Valle
Compartilhar em

Você pode se interessar

COMO É QUE EU VIM PARAR AQUI?

A trama acompanha Thai, que inicia a peça de forma reflexiva. Aos poucos, ela transcende suas próprias experiências e começa a se questionar sobre temas universais que ecoam na sociedade contemporânea. Questões como maternidade, casamento, expectativas pessoais e sociais, carreira, traumas, busca pela fama, impacto da Internet e memórias de infância. A narrativa conduz a protagonista a uma jornada de compreensão dessas grandes questões sociais ao longo do enredo. O espetáculo convida o público a refletir sobre as escolhas, aventuras e desafios que marcam cada jornada individual. A obra, também, cria uma oportunidade para se conectar com as histórias de Thai, além de incentivar a reflexão sobre temas cotidianos.

de 07/08/2024 a 25/09/202455 minà partir de R$ 50Em breve
  • Quarta20h
Teatro Unimed

AUTORRETRATO COM FRIDA(Z) E FLORES OU GARATUJAS DE UMA MÃE ATÍPICA

A peça é um diálogo sobre arte, cotidiano e bem viver, o autorretrato de uma mãe atípica, em que suas garatujas revelam a trajetória em espiral de contradições entre tipicidade e atipicidade. Em um relicário de recordações, a atriz Ruth Melchior convida o público a dialogar e passear pela trajetória das duas FRIDAS, a pintora mexicana Frida Kahlo e sua filha Frida Melchior. As Frida(z) e as questões tensionadas socialmente pelo universo feminino, neuro diverso e PCD. Um autorretrato que parte das singularidades de uma mãe e sua práxis cotidiana, propondo refletir sobre as relações entre arte, sociedade, capacitismo e bem viver.

de 13/07/2024 a 18/08/202450 minà partir de R$ 10Em cartaz
  • Segunda20h
  • Sábado15h e 17h
  • Domingo15h e 17h
Teatro Pyndorama

CINCO GOTINHAS DEBAIXO DA LÍNGUA

Em uma hora de espetáculo, o público acompanha um dia na vida de um funcionário de escritório que, incapaz de lidar com a própria infelicidade, busca aliviar sua caótica rotina com a ingestão descontrolada de um ansiolítico em gotas. A comédia faz uma divertida crítica ao imediatismo e reflete sobre sentimentos como solidão e carência brincando com a ansiedade do personagem. O solo lança um olhar bem-humorado sobre uma geração de pessoas relativamente bem-sucedidas, solitárias e imediatistas, que buscam a solução de seus problemas da maneira mais fácil possível. Tomam pílulas e acreditam encontrar a tal plenitude da vida. Seus melhores amigos são os celulares, e com eles mergulham no mundo virtual procurando uma maneira de viver a vida real. O título da peça faz referência também às cinco miligramas do hipnótico Zolpiden, que, junto com o Rivotril, está entre os remédios mais vendidos no Brasil. Mesmo sendo uma comédia, o assunto da peça é sério: o descontrole das pessoas ao usarem este tipo de medicamento.

de 03/08/2024 a 31/08/202460 minà partir de R$ 40Em breve
  • Sábado22h
Teatro Uol

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.