Você está na cidade de:

SÓS: AO CAIR DE MIM MORREREI VIVENDO

Idealizado pelas artistas Beatriz Belintani e Camila Couto SÓS: ao cair de mim morrerei vivendo tem sessões virtuais de espetáculo, lançamento de podcast com 15 episódios, webinário e uma oficina presencial de dramaturgia.

O conceito de dramaturgia expandida, no qual o texto não está no centro da encenação e se torna, somado a outros impulsos artísticos, mais um elemento de jogo e de composição cênica para a criação de um acontecimento teatral, é o ponto de partida do projeto SÓS: ao cair de mim morrerei vivendo, da Cia. Queda Livre. Durante os meses de março e abril as artistas Beatriz Belintani e Camila Couto apostam em uma série de ações com o objetivo de debater e colocar em foco a ideia de dramaturgia expandida.

As atividades tem início no dia 11 de março, sábado, com as apresentações virtuais e gratuitas do espetáculo SÓS: ao cair de mim morrerei vivendo, que dá nome ao projeto. Com direção e dramaturgia de Beatriz Belintani, que integra também o elenco ao lado de Lilian Alves, Oliver Olívia e Rodrigo Odone, a montagem estará disponível até 30 de abril no YouTube da Cia. Queda Livre.

Em SÓS: ao cair de mim morrerei vivendo, três personagens se encontram presos em uma sala de videoconferência – não conseguem sair dela e, em seguida, descobrem que também não conseguem sair de suas casas. Além disso, todas as redes de comunicação foram cortadas (exceto a videoconferência), então eles só têm uns aos outros para se comunicarem. As personagens não têm nomes, são chamadas pelos números 0506, 1103, 1310 e 1511 (ou Caos), sendo esta última a própria escritora da história e diretora da peça em cena que provoca e questiona as demais até elas não conseguirem mais sustentar a imagem que construíram de si mesmas.

Dramaturgia expandida
A dramaturgia da peça, exibida em 2021, virou livro publicado pela editora La Lettre. Além do próprio texto, a dramaturgia sonora criada por Camila Couto durante o processo de montagem da peça, também está disponível. Para isso, foram criadas e produzidas cápsulas sonoras que podem ser ouvidas junto com a leitura, ao mesmo tempo. No livro, há um link que dá acesso às faixas.

Para Beatriz Belintani o texto teatral está muito além das falas e rubricas, pois apresenta uma materialidade poética e deve trazer mais perguntas do que respostas. “O texto não é soberano em uma montagem, é só mais um material que se soma ao corpo dos atores, a composição sonora, a iluminação e a cenografia. São cruzamentos com subjetividades próprias e que propõem novas imagens e sentidos múltiplos ao acontecimento teatral.”, explica ela.

Já para Camila Couto, o conceito de dramaturgia expandida, caminha com à ideia de que a própria natureza do teatro é polifônica, conforme a expressão utilizada pelo professor e pesquisador Ernani Maletta. “Desta forma, minha pesquisa com dramaturgia sonora também percorre a via da narrativa, da construção de sentidos e provocação de sensações. A presença sonora atua como um elemento dramatúrgico, operando com parâmetros de espaço e tempo, densidade e velocidade; ora revelando paisagens sonoras, ora construindo camadas internas das personagens, ora manifestando emoções de quem assiste, lê ou escuta”, pontua Camila.

Podcast, webinário e oficina
O projeto SÓS: ao cair de mim morrerei vivendo conta ainda com um podcast, onde as artistas Beatriz Belintani e Camila Couto conversam sobre o conceito de dramaturgia de forma expandida no teatro contemporâneo. Dividido em 15 episódios com 5 a 10 minutos cada um, a série estreia dia 13 de março, segunda-feira, no Spotify, e segue sempre com dois novos capítulos semanais.

Nos dias 15, 23 e 29 de março, sempre às 19h, acontece o webinário Poéticas da Travessia. Com a ideia de ampliar as discussões provocadas pela montagem de SÓS: ao cair de mim morrerei vivendo, Beatriz Belintani e Camila Couto convidam a dramaturga, pesquisadora e professora Ligia Souza (dia 15), a escritora Aline Bei (dia 23) e a cantora, compositora e uma das principais vozes da música pop contemporânea da Amazônia Aíla (dia 29) para conversarem sobre a arte como território de atravessamento em diferentes linguagens (e entre linguagens), a partir da relação entre ética e estética na criação e cultivo de micropolíticas de diálogo e afeto. As inscrições são gratuitas pela plataforma Sympla [sympla.com.br/produtor/ciaquedalivre].

Encerrando o projeto, acontece de 5 a 26 de abril, quartas-feiras, às 19h, na Oficina Cultural Oswald de Andrade a oficina de dramaturgia Escri(a)turas Poéticas: Dramaturgia em Desvio com condução de Beatriz Belintani. Transitando entre a teoria e a prática, a oficina propõe dar ferramentas para o processo de escritas poéticas na cena teatral contemporânea, a partir da relação entre ética e estética e do desvio do texto como função principal da cena para se tornar mais um elemento de jogo e, assim, contribuir para criação de imagens e atmosferas.

Sobre Beatriz Belintani
Artista e pesquisadora em teatro, performance, dança, música e vídeo. Bacharel em Comunicação Social e Marketing pela FAAP e Técnica em Atuação pela SP Escola de Teatro. Transita entre as áreas de atuação, dramaturgia, direção e produção desde 2013 e dá aulas de teatro desde 2017. Dedica-se à criação, pesquisa e prática nas artes cênicas contemporâneas a partir da relação entre estética e política. Entre seus trabalhos mais recentes estão: a criação e execução da edição e montagem da experiência cênico-performativa audiovisual ExperimentosSelvagens.br (2020, direção de Fabiana Monsalú); concepção e atuação do curta-metragem SÓS (2020, Cia. Queda Livre); concepção, direção geral, dramaturgia e atuação da experiência cênico-cinematográfica SÓS: Ao cair de mim morrerei vivendo (2021/2022, Cia. Queda Livre); assistência de direção e de dramaturgia do acontecimento performativo sensorial Fim de Festa: Um mergulho para remixar a realidade (2021/2022, CompanhiaDaNãoFicção com direção de Fabiana Monsalú). Em 2022 fez parte da curadoria do AMOREIRAS – 1º Festival LGBTQIA+ do Vale do Paraíba e publicou a dramaturgia de SÓS: ao cair de mim morrerei vivendo como uma experiência de leitura-escuta, pela editora La Lettre.

Sobre Camila Couto
Artista sonora, performer, compositora e produtora musical. Formada em Artes Cênicas pela Universidade Estadual do Paraná, trabalha com música no campo do teatro e audiovisual desde 2009. Artista sonora autodidata, atua na criação de trilhas sonoras originais e no desenvolvimento de dramaturgias sonoras, onde entende o som como um elemento extremamente narrativo nas obras. Dedica-se à criação de trabalhos artísticos tendo a perspectiva queer e de gênero como fios condutores da sua pesquisa. Dentre seus principais trabalhos, destacam-se: trilha sonora original para a peça Senhora X, Senhorita Y, dirigida por Silvana Garcia; para a peça A Doença do Outro, de Ronaldo Serruya; trilha para o curta Elas, de Juliana Yurk; trilha e direção musical da peça Betta Splendens, de Tatiana Ribeiro; trilha para o curta A falta de…, de Sol Faganello; além da criação de cápsulas sonoras e dramaturgia sonora, para a peça e livro SÓS: ao cair de mim morrerei vivendo, de Beatriz Belintani.

Espetáculo
Disponível no YouTube da Cia. Queda Livre: https://www.youtube.com/ciaquedalivre
Concepção, dramaturgia e direção: Beatriz Belintani | Elenco: Beatriz Belintani, Lilian Alves, Oliver Olívia e Rodrigo Odone | Orientação de direção e atuação: Fabiana Monsalú | Orientação de dramaturgia: Gilvan Balbino | Dramaturgia sonora: Camila Couto | Criação de luz: Maristella Pinheiro | Espaço cênico: Italo Iago | Operação de transmissão: Sol Faganello.

Podcast Dramaturgia Expandida
15 episódios – 5 a 10 minutos cada.
Estreia dia 13 de março no Spotify (episódios novos toda semana).
Concepção, roteiro e apresentação: Beatriz Belintani e Camila Couto | Gravação: VP Estúdios | Técnico de gravação: Vinícius Peixoto | Assistente de gravação: Felipe Antonoli | Trilha sonora, mixagem e masterização: Camila Couto.

Webinário Poéticas da Travessia
Inscrições gratuitas pelo Sympla [sympla.com.br/produtor/ciaquedalivre].
Dia 15 de março, quarta-feira, 19h – Ligia Souza (dramaturga, pesquisadora e professora).
Dia 23 de março, quinta-feira, 19h – Aline Bei (escritora).
Dia 29 de março, quarta-feira, 19h – Aíla (cantora, compositora e uma das principais vozes da música pop contemporânea da Amazônia).

Oficina de dramaturgia Escri(a)turas Poéticas: Dramaturgia em Desvio
Com Beatriz Belintani.
De 5 a 26 de abril, quartas-feiras, às 19h.
Oficina Cultural Oswald de Andrade – Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo.
Inscrições gratuitas pelo site www.oficinasculturais.org.br.

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 11/03/2023 até 30/04/2023

Dias

ON-LINE

Duração

80 minutos

Valor

Gratuito

Região

Teatro / Espaço

Museu do Futebol
Praça Charles Miller,S/N - Pacaembu,23

Estacionamento

Cafeteria

Sim

E-mail

atendimento@hebraica.org.br

14

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 14 anos

Galeria de fotos
Compartilhar em

Você pode se interessar

IRINEU

Na trama, João Macena (Tiago Luchi) é internado e passa a dividir o quarto com Seu Irineu (Genézio de Barros), um senhor muito simpático, mas que esconde alguns mistérios. Os dias no hospital parecem intermináveis para João Macena, porém seu companheiro de quarto os fazem ficar mais divertidos quando relata algumas das aventuras que já viveu. Entre elas está o dia em que pegou um navio para a América, ou então quando esteve nos campos de batalha japoneses, ou ainda quando foi taxista em uma grande cidade. Impressionado com as histórias de Irineu, João se sente motivado para enfrentar a doença que o levou até o hospital, sem saber que a maior lição de todas ainda estaria por vir.

de 06/04/2024 a 26/05/202460 minà partir de R$ 5Últimos Dias
  • Sábado20h
  • Domingo18h
Marte Hall

O DEUS DE SPINOZA

A peça mostra a comunidade judaica incomodada com o pensamento de Baruch de Spinoza, filho de imigrantes ibéricos acolhidos em Amsterdã, que afronta os costumes e preceitos de sua religião. Na tentativa de convencê-lo a ser um bom cidadão, os Rabinos do Conselho Judaico apresentam formas de conversão. Se Spinoza não aceitar, será julgado, condenado e exilado. Ele expõe todo o seu pensamento a seu amigo, Jan Rieuwertsz, editor de livros, com quem pode desabafar e contar de seus planos futuros. Um convite à reflexão e à liberdade de pensamento. O espetáculo é pontuado por músicas sefarditas do século XVII, em língua ladina, executadas ao vivo

de 10/04/2024 a 06/06/202480 minà partir de R$ 40Em cartaz
  • Quarta20h
  • Quinta20h
Teatro Uol

CORONEL MOSTARDA COM A CHAVE INGLESA NA COZINHA

Inspirada no popular jogo de tabuleiro "Detetive", a peça é um espetáculo-jogo de investigação que convida a plateia a se envolver na solução de um mistério. A trama se desenrola por meio de cenas totalmente improvisadas. A cada início de apresentação, cartas são sorteadas, definindo quem é o assassino, a vítima, a arma do crime e o cômodo onde ocorreu o assassinato. No palco, os atores são peças em um tabuleiro e o público se transforma em detetives investigadores, orientando como as cenas devem se desenrolar até que o enigma seja decifrado. Sob a orientação da investigadora Miranda, o espetáculo desafia e instiga os espectadores, cujo objetivo é acertar as quatro cartas sorteadas, com base na narrativa criada pelos atores.

de 03/05/2024 a 31/05/2024 minà partir de R$ 40Últimos Dias
  • Sexta20h30
Teatro Ruth Escobar

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.