Você está na cidade de:

STALKING – UM CONTO DE TERROR DOCUMENTAL

True crime no teatro: “Stalking – um conto de terror documental” aborda um caso de assédio que começou no ambiente de trabalho.

Ao mesclar a realidade crua com elementos de terror e de contos de fadas, peça evidencia como a sociedade reforça comportamentos machistas e abusivos.

“Você é tão simpática. Por acaso foi simpática assim com ele também?”. Desde 2015, a atriz Livia Vilela lida com um stalker e com comentários como esse, que descredibilizam o seu mal-estar. A perseguição transformou-se em um espetáculo teatral: Stalking – um conto de terror documental faz uma temporada no Teatro Cacilda Becker.

O que começou com um “inocente” bombom logo ganhou contornos dignos de um filme de terror, com direito a ameaças por e-mail e aparecimentos inesperados. Por isso, vários elementos típicos de histórias assustadoras, como iluminação mais baixa, som mais alto, gritos e até sangue falso foram incorporados na peça.
A partir da história de Livia, Paulo Salvetti construiu a dramaturgia. A dupla também forma o elenco. No processo, a equipe percebeu que a narrativa poderia ser ainda mais impactante se explorasse também dispositivos típicos dos contos de fadas. Seria uma forma de evidenciar como a sociedade foi estruturada a partir dos comportamentos machistas e abusivos presentes na maioria, se não em todas as histórias infantis.

“Durante nossa pesquisa, entendemos como a educação está a favor dos valores do patriarcado, que são determinados desde sempre”, defende Elisa Volpatto, codiretora que estreia na função ao lado de Rita Grillo. Basta lembrar de contos como o do Barba Azul, um notório assassino de esposas ou mesmo o da Bela Adormecida, que é beijada por um completo desconhecido enquanto dorme.
Para adentrar nesse universo fantasioso, todos os personagens masculinos são representados por meio de figuras grotescas, que remetem aos lobos das histórias infantis. Além disso, dança, máscaras e animação de objetos são incorporadas à encenação ao lado de documentos chocantes, como os áudios, canções e e-mails enviados pelo perseguidor.
“Em cena, a protagonista monta grandes quadros com evidências, e ao final, é como se toda uma cena de crime estivesse preparada no palco. Assim, a peça nunca perde seu caráter documental e de true crime”, conta Rita.
A ideia da montagem é tirar o espectador da zona de conforto. “A plateia não é apenas voyeur dessa história. Quem se dispuser a tal, pode experienciar, por meio da arte, um pouco do que a Livia viveu nesse tempo”, explica Salvetti.
Para produzir esse efeito, Stalking foi construída para desarmar todas as estruturas exaustivas que apareceram nessa trajetória da atriz para pedir ajuda. Isso significa que, em vários momentos, os personagens masculinos atravancam esse processo.

Uma luta e seus desdobramentos

Ao mesmo tempo, o espetáculo-denúncia reflete sobre a impunidade comumente concedida aos homens. Em oito anos de reviravoltas envolvendo polícia, advogados, medidas protetivas e uma escalada crescente de violência por parte de seu perseguidor, Livia nunca se sentiu completamente segura. E, somente em 2022, foi expedido um primeiro mandado de prisão.
Apesar da dificuldade que teve em ser ouvida, sua luta trouxe ganhos para todas as mulheres. Em 2015, o ato de stalkear alguém não era visto como um problema pela sociedade. A situação só mudou em 2021, com a aprovação da Lei 14.132, que determina que perseguir alguém continuamente, seja física ou virtualmente, é crime. E Livia se tornou uma das primeiras pessoas no Brasil protegidas pela Lei Maria da Penha por sofrer esse tipo de assédio.

Essa peça, então, surgiu como um grito coletivo de liberdade e emancipação. “É um trabalho sobre as marcas deixadas no corpo de uma mulher. É sobre o medo de falar por já se saber desacreditada. É sobre as potências interrompidas em razão de um masculino que se sobrepõe em todas as instâncias da vida. É sobre todo o caminho exaustivo a se percorrer por apenas querer dizer a verdade”, comenta a atriz.

Ficha Técnica:

Atuação: Livia Vilela e Paulo Salvetti
Codireção: Elisa Volpatto e Rita Grillo
Assistência de Direção: Jackeline Stefanski Bernardes
Dramaturgia: Paulo Salvetti
Trilha Sonora Original: Malka Julieta
Iluminação: Gabriele Souza
Direção de Arte: Beatriz Barros
Provocação: Janaína Leite
Fotos: Betânia Dutra, Anna Bueno e Guilherme Radell
Identidade Visual: Orú Florydo
Operação de Som: Jess Silva
Operação de Luz: Sancler Pantano
Edição Vídeo Benfeitoria: Igor Luís
Produção: Corpo Rastreado – Gabs Ambròzia
Assessoria de Imprensa: Canal Aberto Comunicação | Márcia Marques

 

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 17/03/2023 até 09/04/2023

Dias

sex 21h, sáb 21h, dom 19h

Duração

90 minutos

Valor

R$30 (inteira) e R$15 (meia)

Região

Zona Oeste / São Paulo

Teatro / Espaço

Teatro Cacilda Becker
Rua Tito, 295, Lapa, São Paulo/SP - 05051000

Estacionamento

Cafeteria

Não

Telefone

(11) 3864-4513

E-mail

teatrocacildabecker@prefeitura.sp.gov.br

16

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 16 anos

Galeria de fotos
Compartilhar em

Você pode se interessar

AS QUE VIERAM ANTES DE NÓS

Mostrando cultura, lutas, tradições, canções, ancestralidades e curiosidades, quatro atrizes e cantoras do grupo contam histórias de quatro mulheres históricas do nosso país. Juntam a cultura brasileira que contém músicas ao vivo que manifestam palavras de revolução, cirandas e de guerrilhas, com histórias que protagonizam mulheres fortes, importantes e que não devem nunca ser esquecidas. As contações são como um acalanto e preservação de memória, como uma carta de amor à essas mulheres que colaboraram com nossa emancipação, empoderamento e justiça. As mulheres homenageadas dessa série de contações são: Clementina de Jesus, Ada Rogato, Yumiko Kanayama e Nise da Silveira.

de 13/07/2024 a 28/07/202450 minGratuitoÚltimos Dias
  • Sábado16h
  • Domingo16h
Sesc 24 de Maio

A CHAPEUZINHO VERMELHO

Essa divertida montagem do clássico Chapeuzinho Vermelho aborda alguns assuntos comuns ao universo infantil, como bullying, relação com os pais, desafios do dia a dia, etc. O lobo sofre bullying na escola e ganha o apelido de “Lobo Mau”, desde então começa a agir como tal. Chapeuzinho, a heroína travessa que segue pela estrada errada, percebe que não agiu certo ao desobedecer a sua mãe e se arrepende. A vovó, que na versão dos irmãos Grimm é devorada pelo Lobo, usa sua esperteza e consegue fugir. A trilha Sonora introduz a música clássica para a criançada com repertório de Mozart, Chopin, Verdi, Beethovem, Vivaldi, Bach e Biset.

de 04/07/2024 a 25/07/202480 minà partir de R$ 40Últimos Dias
  • Quinta15h
Teatro Uol

O AUTINHO DA COMPADECIDA

O espetáculo “O Autinho da Compadecida”, adaptado do clássico de Ariano Suassuna, traz um retrato do sertão nordestino com duas personagens que já fazem parte de nossa cultura: João Grilo e Chicó. A plateia acompanha as aventuras e confusões de dois espertos sertanejos que recebem uma missão de seus patrões - Dona Dorinha e Seu Eurico - para que encontrem sua cachorra que desapareceu. A confusão aumenta quando os cangaceiros atacam a cidade, causando um alvoroço danado. Diante da bagunça geral, somente "A Compadecida" poderá intervir por eles. A peça foi avaliada com 4 estrelas pelo jornal Folha de São Paulo.

de 05/07/2024 a 26/07/202470 minà partir de R$ 40Últimos Dias
  • Sexta15h
  • Sexta15h
Teatro Uol

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.