Você está na cidade de:

UM CLÁSSICO: MATOU A FAMíLIA E FOI AO CINEMA

Luiz Fernando Marques, do Grupo XIX de Teatro, mescla cinema e teatro em experimento cênico inspirado em filmes clássicos dos anos 60

Em um país onde cinemas se transformaram em igrejas pentecostais, exploramos dois pioneiros
filmes brasileiros de 1968 e 1969 que abordam temas homoafetivos. Essas histórias brasileiras
pertencem a um passado conservador em preto e branco, ou são fantasmas premonitórios de um
presente cor de sangue? Júlio Bressane e Djalma Limongi emprestam seus clássicos e na fricção entre o cinema e o teatro montamos uma experiência única, onde o público recria a narrativa, mesclando o que foi filmado com o que acontece ao vivo. São dois filmes, uma peça, duas mulheres, dois homens e um
narrador, entrelaçando passado e presente em busca de um futuro mais diverso.

Ficha Técnica:

Direção e Dramaturgia: Luiz Fernando Marques Lubi.
Artistas Colaboradores e Atuantes: Aguida
Aguiar, Bruna Mascarenhas, Carlos Jordão, Lucas Rocha e Walmick de Holanda.
Diretora assistente: Juliana Mesquita.
Cenografia e Edição de vídeo: Luiz Fernando Marques Lubi.
Figurino, visagismo e direção de arte: Aguida Aguiar, Bruna Mascarenhas, Carlos Jordão, Juliana
Mesquita, Lucas Rocha, Luiz Fernando Marques Lubi e Walmick de Holanda.
Produção: Grupo XIX de teatro e Andréa Marques.
Técnico de Luz, som e vídeo: Luís Roberto Oliveira.
Realização: grupo XIX de teatro.
Filmes referências por ordem de aparição: Matou a família e foi ao cinema (1969) de Júlio Bressane, Matou a família e foi ao cinema (1991) de Neville de Almeida, Um Clássico, Dois em Casa, Nenhum Jogo Fora (1968) de Djalma Limongi Batista, Thelma & Louise (1991) de Ridley Scott e Callie Khouri.
Artistas que participaram do núcleo de pesquisa do grupo XIX de teatro – O Cinema como presença – de abril a julho de 2023: Aguida Aguiar, Alessandro Hernandez, Ana Hidalgo, Anderson Martins. Bruna Mascarenhas, Carlos Jordão, Felipe Salve, Giulia Gadel, Lenise Oliveira, Lucas Rocha, Lui Seixas, Michele Barreto, Naia Soares, Pedro Henrique, Raphito Oliveira, Tércio Moura, Valéria Arbex, Verona Ísis, Victor Rosa, Vívian Valente e Walmick de Holanda.

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 17/11/2023 até 20/11/2023

Dias

  • Segunda1517h
  • Sexta1517h
  • Sábado1517h
  • Domingo1517h
  • Segunda1517h
  • Sexta1517h
  • Sábado1517h
  • Domingo1517h

Duração

77 minutos

Valor

Gratuito

Região

Zona Leste / São Paulo

Teatro / Espaço

Vila Maria Zélia
Rua Mário Costa, 13 - - São Paulo | SP, 13, Entre as ruas Cachoeira e dos Prazeres, Belém, São Paulo/SP - 03021100

Estacionamento

No local

Cafeteria

Sim

Telefone

(11) 2081-4647

E-mail

producao@grupoxix.com.br

18

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 18 anos

Galeria de fotos
Fotos por Divulgação,Luiz Fernando Marques
Compartilhar em

Você pode se interessar

SÃO PAULO

Espetáculo teatral que passeia pelos encantos, mistérios e fatos curiosos da cidade de São Paulo, sua formação, suas transformações, sua gente, suas contradições, sua força. A cidade de São Paulo como personagem principal que ganha vida em textos e músicas garimpados ao longo de uma extensa pesquisa, apresentados de forma divertida, leve e surpreendente.

de 04/05/2024 a 26/05/202490 minà partir de R$ 50Em breve
  • Sábado20h
  • Domingo18h
Teatro Bravos - Complexo Aché Cultural

EXÍLIO

Atualmente, mais de 110 milhões de pessoas no mundo, segundo dados oficiais, foram obrigadas a se deslocar por causa de guerras, violações de direitos humanos, condições climáticas e perseguições de todo tipo (políticas, religiosas, étnicas, por orientação sexual). Elas estão sujeitas a violências anti-imigração, como estupro, discriminação, humilhação. Muitas perderam suas vidas. A experiência do exílio também pode ser vivida dentro do próprio país, como no caso das ditaduras e nos processos de desumanização. eXílio é um trabalho teatral, proposto pelo Coletivo Comum, que parte desta atualidade brutal, mas também da perspectiva de que as fronteiras são criações históricas, portanto, podem ser alteradas e suprimidas.

de 11/04/2024 a 05/05/2024140 minà partir de R$ 10Em cartaz
  • Quinta19h30
  • Sexta19h30
  • Sábado19h30
  • Domingo18h
Teatro de Contêiner Mungunzá

A IDADE DA PESTE

Uma mulher branca assiste ao assassinato do filho da empregada, acossado pela polícia, dentro da sua casa de classe média alta. O episódio desencadeia um profundo exame de consciência em que os desejos inconfessados da branquitude emergem como um marcador racial aterrorizante, questionando a própria possibilidade de justiça em um mundo feito à imagem e semelhança dos brancos.

de 24/04/2024 a 28/04/202480 minGratuitoEm breve
  • Quarta20h
  • Quinta20h
  • Sábado20h
  • Domingo19h
Centro Cultural da Penha

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.