Você está na cidade de:

CDC Vento Leste

O antigo CDM, Centro Desportivo Municipal, ao lado do posto de saúde e da escola José Bonifácio, já foi um terreno baldio e abandonado. Hoje as coisas andam bem diferentes por lá. O Clube da Comunidade (CDC) Vento Leste é o nome de rebatismo do velho CDM, em homenagem ao grupo Cultural homônimo que na década de 70 também se reuniu nesse mesmo terreno aspirando arte, cultura, poesia e comunidade.

Há muitos anos moradores e grupos artísticos realizam um grande trabalho na ocupação e revitalização daquele espaço. O terreno é da prefeitura e desde a década 90 sofria com o abandono.

Desde meados do ano 2000, um grupo de moradores da comunidade passou a cuidar do espaço e, desde então, a lutar por ele. O primeiro grupo a chegar foi o Coletivo Dolores promovendo uma ocupação artística, seguido pelo Esquadrão Capoeira, pelo Grupo de Dança da Terceira Idade, Comunidade Paraguaia, Grupo de Basquete, Futebol, mais dois grupos de Teatro a Cia Canina e o Bando, além do ônibus cultural La Pacata. Durante todo o período de ocupação tantos outros grupos e coletivos também passaram e contribuíram para sua história e fortalecimento, foram eles o NA (Narcóticos Anonimos), as Cias de Teatro Parlendas, Mãe da Rua e Albertinas.

Durante este período, após muita batalha e pressão na prefeitura, uma reforma foi conquistada dando ao espaço uma nova quadra poliesportiva, uma sala de ensaios e reuniões, uma reforma no galpão e a construção de banheiros. Acreditem, o lugar sequer tinha banheiros. Evidente que as lutas com o poder público corriam por um lado e, por outro, os esforços por organizar as atividades internas do CDC. Tudo voluntário, sem dinheiro ou qualquer infra-estrutura para continuar. Muita história, muita insistência, dificuldade e resistência: invasão do espaço, roubos, pixações e depredações. Veja um vídeo de 2013 mostrando como era o espaço.

​O CDC Vento Leste agora é um espaço cultural público de resistência situado na zona leste de São Paulo, no Jardim Triana, próximo ao metrô Patriarca.

​Quem chega ao portão de entrada do CDC se depara com um galpão grafitado. Na frente do galpão, área verde, um ônibus casa e uma cozinha caipira com fogão à lenha. Atrás do galpão um grande cata-vento colorido defronte a um morro de terra avermelhada. Do alto desse morro pode-se avistar parte da Vila Formosa, Cidade Líder, Cohab I, Jardim Nordeste, Ermelino Matarazzo, o falido primeiro shopping da zona leste, a Radial e outros tantos pontos da região e espaços mais distantes, como o adensamento de prédios do Carrão e Tatuapé.

​Em certas noites, tira-se a prova do clarão alaranjado no céu: do morro vermelho os olhos tocam a chama expelida pela Nitroquímica de Santo André e as luzes vindas do Aricanduva. Nesse mirante os dias morrem em tons de outono; por lá se ganha o contraditório silêncio urbano, jovens fumam toda qualidade de aromas, poetas cantam o bairro, malucos, traficantes, trabalhadores circulam mais lentos.

Aos pés do morro, o CDC em panorâmica: duas salas de ensaio, quatro containers velhos, o teatro de arena com árvores, as quadras esportivas, o parquinho de madeira das crianças, o pessoal dos três grupos de teatro, da capoeira, da dança, do futebol, do basquete, do Narcóticos Anônimos e da Terceira Idade: polifonia da intensa atividade a mover este espaço que fora somente um terreno baldio.

O terreno abandonado ganhou shows musicais lotados, virou sede do Carnaval Contra-hegemônico, palco do espetáculo A Saga do Menino Diamante e da multidão que o assistia, abrigou mostras teatrais e videográficas, saraus e exposições fotográficas. E mais, virou dormitório de artistas vindos das mais diferentes regiões do Brasil, tornou-se parque de esculturas a céu aberto, ganhou poemas impressos em aço, espalhados entre árvores ao longo da pista de caminhada. E ainda, fez-se espaço onde também colocamos nossa alegria, festas, muitas festas, seminários, debates, estudos conjuntos, pesquisas teatrais, palestras, intensidade, movimento…

É do alto do morro vermelho que se toma distância da história frenética, dali se vê a cidade e mira-se o sonho. Por lá, novas viagens e planos de luta: subir no lugar mais alto: silêncio e trama.

 

Texto publicado, originalmente, no site do Dolores Boca Aberta

Galeria de fotos
Fotos por Divulgação

Informações do teatro

Endereço

R. Dr. Frederico Brotero, 60 - Próximo ao Metrô Patriarca - Cidade Patriarca, São Paulo /

Região

São Paulo /

Capacidade

40 lugares pessoas

Bilheteria

Segunda à sexta: 19h às 20h
Sábado: 19h às 20h
Domingo: 19h às 20h

Estacionamento

No Local

Cafeteria

Não

Ar condicionado

Não

Acessibilidade

Não

Telefone

(11) 95652-2601

E-mail

doloresbocaaberta@gmail.com

Compartilhar em

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.