Você está na cidade de:

COMPARSAS DO RISO

Tributo amoroso ao Circo “Comparsas do Riso”

Espetáculo circense teatral infantojuvenil dirigido por Cláudio Baltar, “Comparsas do Riso” chega ao Teatro Popular Oscar Niemeyer, em Niterói, para curtíssima temporada.

Nos dias 20 e 21 de maio, Niterói recebe no Teatro Popular Oscar Niemeyer o espetáculo infantojuvenil “Comparsas do Riso”, um tributo amoroso ao circo. Dirigido por Cláudio Baltar, o espetáculo origina-se do livro infantojuvenil homônimo do escritor alagoano Bernardo de Mendonça (1950-2017), com dramaturgia de sua filha, Sol de Mendonça, idealizadora do projeto – O livro de Mendonça é considerado “Altamente recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil” –.

Apresentando números de palhaçaria, trapézio, tecido, elásticos e malabares, o espetáculo traz no elenco: Adelly Costantini, Alice Amarante, Juliete Schultz, Horácio Storani e Vicente Baltar. Em cena, os musicistas Lia Buarque e Horácio Storani acompanham a trupe. Sol de Mendonça é também coautora da trilha musical com Pedro Miranda e Guto Wirtti. As apresentações em Niterói são patrocinadas pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro através do edital retomada Cultural 2 – Lei Aldir Blanc.

A história, originalmente escrita em versos, fala de um instante de arte, prazer e liberdade numa cidade em que os moradores passam os dias isolados. No circo local, a arquibancada, mais vazia do nunca, enche-se de vida com as gargalhadas de um menino, encantado com o que assiste no picadeiro. É o tipo de sessão que os artistas amariam eternizar. A emoção do menino, ao expressar gargalhadas tão sinceras, contagia de forma avassaladora a pequeníssima plateia.

Segundo o diretor Cláudio Baltar, os assuntos mais interessantes do espetáculo são, por um lado, sobre o riso: “Por que é que a gente ri? Ri de quê? Ri de quem? Ri de si mesmo? Quem deu a primeira risada?” e, por outro lado, para tratar sobre a relação de empatia que se estabelece entre o artista e o público ou da busca dessa empatia. A cada espetáculo a plateia se renova e o artista precisa “ganhar o público”, missão ora mais fácil, ora mais difícil, de acordo com as circunstâncias do momento e a diversos fatores inexplicáveis.

“Comparsas do Riso” soma-se aos 45 anos de trabalho de Cláudio Baltar, que possui uma sólida carreira em direção circense, que inclui a companhia carioca Intrépida Trupe, em espetáculos de sucesso e parcerias com a Cia Bufomecânica e o Circo Crescer e Viver. A paixão pelo Circo surgiu no Grupo Manhas e Manias, nos anos 80, e consolidou-se com a Intrépida Trupe. Seus principais espetáculos são: Sonhos de Einstein (Direção, 2003 – 2010, Intrépida Trupe); Água de Beber – Pequenas Histórias de Capoeira (Direção, 2007 – 2014); Passos (Direção, 2011 – Circo Crescer e Viver); Two Roses for Richard III (Codireção, 2012 – World Shakespeare Festival – Londres e Stratford Upon Avon); Vertigem (Direção, 2016 – 2018, Dança Vertical).

Os caminhos antes da montagem
A ideia primeira, em meio à pandemia, era fazer uma peça de teatro para exibições on-line. Dessa forma, Cláudio Baltar gerou uma segunda obra de arte: o curta-metragem “Comparsas do Riso” – que pode ser visto no YouTube. “Mudamos o curso da história. Optamos por fazer um filme, ampliando as fronteiras da linguagem e da obra, que tem a grandeza de nos fazer pensar de onde surgiu o riso”, conta o diretor. Logo após, contemplada para a Mostra Primeiro Olhares, o trabalho foi apresentado no Sesc Tijuca. Em 2021 “Comparsas do Riso” foi selecionado nos editais Fomento à Cultura Carioca FOCA da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Retomada Cultural 2 da Secretaria do Estado de Cultura Criativa do Rio de Janeiro. E assim, o espetáculo que conhecemos hoje estreou em novembro de 2022, no Espaço Cultural Sérgio Porto, no Humaitá, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Mais informações sobre a trajetória do diretor Cláudio Baltar
Nascido em 12 de janeiro de 1958 no Rio de Janeiro, Cláudio Baltar, embora tenha ingressado em 1977 na Escola de Engenharia da UFRJ, participou, nesse mesmo ano, de sua primeira peça de teatro: “Tribobó City” de Maria Clara Machado. Três anos mais tarde, abandonou os estudos universitários para dedicar-se exclusivamente à profissão de artista (ator e diretor). No entanto, o trabalho técnico retornaria mais tarde, quando Cláudio, já integrante da Intrépida Trupe, se tornaria diretor técnico, tendo desenvolvido com a Trupe durante os anos 90 e 2000, a chamada “engenharia circense”, especializando-se na criação de aparelhos e efeitos especiais aéreos. Acrobata, capoeirista, ator profissional e diretor desde 1979, fez diversos cursos e espetáculos, destacando-se em sua pesquisa pela busca de um teatro físico que, além da palavra, prima pelas imagens e pelo movimento. Desde o início, participou de diversas Companhias de Teatro e Circo, sendo as principais: o Grupo Manhas e Manias nos anos 80, a Intrépida Trupe nos anos 90 e 2000 e a Cia Bufomecânica nos anos 2010. A paixão pelo Circo surgiu no Grupo Manhas e Manias e consolidou-se com a Intrépida Trupe. Hoje, imprime em seus espetáculos as experiências e técnicas que acumulou ao longo de sua trajetória artística.

Ficha técnica:

Direção: Cláudio Baltar
Dramaturgia e idealização: Sol de Mendonça
Músicas originais: Sol de Mendonça, Pedro Miranda e Guto Wirtti
Elenco: Adelly Costantini, Alice Amarante, Horácio Storani, Juliete Schultz, Lia Buarque e Vicente Baltar
Direção de produção: Fernanda Avellar
Pré-produção: Marina Gadelha
Iluminação: Paulo César Medeiros
Cenário e figurinos: Guilherme Reis
Direção Musical: Pedro Miranda e Guto Wirtti
Rigger: Daniel Elias
Cenotécnico e contrarregra: Patrick Pacheco
Programação visual: Kaka Palhano e Vicente Baltar
Fotos: Renato Mangolin
Assessoria de imprensa: Ney Motta

 

 

 

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

 

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 20/05/2023 até 21/05/2023

Dias

sáb 16h, dom 16h

Duração

40 minutos

Valor

R$20 (inteira) / R$10 (meia)

Região

Zona Sul / Rio de Janeiro

Teatro / Espaço

Teatro Popular Oscar Niemeyer
R. Jorn. Rogério Coelho Neto, s/n, Niterói , Rio de Janeiro/RJ - 24020011

Estacionamento

Nas redondezas

Cafeteria

Sim

Telefone

(21) 97104-2002

E-mail

teatropopular.niteroi@gmail.com

L

Classificação indicativa

Classificação Livre para todas idades

Galeria de fotos
Fotos por Renato Mangolin
Compartilhar em

Você pode se interessar

O REI DO ROCK – O MUSICAL

Inédito e originalmente brasileiro, "O Rei do Rock - O Musical" mergulha na fascinante trajetória do roqueiro Elvis Presley, desde sua primeira gravação em disco, aos 18 anos, até sua prematura morte aos 42. Em uma jornada envolvente pelos altos e baixos da vida do artista, a narrativa dessa grande homenagem é marcada pelos fortes laços pessoais e profissionais, e impulsionada por uma trilha sonora repleta de sucessos em diferentes estilos que deram o tom de sua carreira, incluindo rock, pop, country, blues e gospel, explorando, em dois atos, momentos cruciais ao lado de figuras essenciais e grandes referências da música americana.

de 15/03/2024 a 19/05/2024140 minà partir de R$ 75Últimos Dias
  • Quinta20h
  • Sexta20h
  • Sábado16h30 e 20h30
  • Domingo15h30 e 19h30
Teatro Claro Mais SP

BERNSTEIN: O LÍRICO

O programa desse Sarau terá como foco as canções do compositor e maestro Leonard Bernstein. West Side Story, On the Town, Wonderful Town e Candide fazem a base deste espetáculo marcado pela interpretação em formato lírico. O espetáculo acontece em nossa forma clássica: narração, com o afeto singular de Andres Santos Jr, que também faz a direção de palco; direção/preparação musical do maestro Flavio Lago, piano de Leandro Roverso e as vozes dos especialistas neste genial autor: o soprano Raquel Paulin e o tenor Daniel Umbelino. Com uma direção de cena intimista, o espetáculo conta com o tradicional debate no término da apresentação.

de /27/2311 a /27/231190 minà partir de R$ 60Em breveseg 19hTEATRO SERGIO CARDOSO

TARSILA, A BRASILEIRA

A história começa com a chegada de Tarsila a São Paulo, em 1922, vinda da Escola de Artes  de Paris, e seu encontro com os modernistas, que daria origem ao famoso Grupo dos Cinco (Tarsila, Anita Malfatti, Oswald de Andrade, Mário de Andrade e Menotti del Picchia) e seria o início de um tórrido romance entre ela e Oswald. A ação então passa pela efervescência e excessos dos modernistas, a vida entre São Paulo e Paris, o atribulado e concorrido atelier de Tarsila em Paris, frequentado pela nata artística da época (Pablo Picasso, Igor Stravinsky, Eric Satie, Jean Cocteau, entre outros), o “redescobrimento do Brasil” e as revoluções estéticas que culminaram no movimento Antropofágico e na criação do Abaporu, ponto máximo da colaboração artística entre Tarsila e Oswald.

de 25/01/2024 a 26/05/2024150 minà partir de R$ 25Últimos Dias
  • Quinta20h20h
  • Sexta20h20h
  • Sábado1620h1620h
  • Domingo1620h1620h
  • Quinta20h20h
  • Sexta20h20h
  • Sábado1620h1620h
  • Domingo1620h1620h
Teatro Santander

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.