Você está na cidade de:

SÓ RISO – O ARAME, O PALHAÇO E UMA CERTA MORTE

Espetáculo Só Riso – o arame, o palhaço e uma certa morte discute papel da arte e do artista como espelho da realidade.

Com dramaturgia de Claudia Schapira e dramaturgia cênica de Cibele Forjaz,
peça é encontro entre teatro, circo e musical. Tragicomédia usa da metalinguagem para contar a história do Palhaço Augusto e refletir sobre a efemeridade do teatro.

A história do espetáculo Só Riso – o arame, o palhaço e uma certa morte é marcada por encontros: entre o grupo de artistas criadores; entre os textos O Sorriso ao Pé da Escada, de Henry Miller, e O Funâmbulo, de Jean Genet; entre o real e o virtual; e entre o teatro, o circo e o musical. Todos eles formam uma história forte, que parte da discussão sobre o papel da arte e do artista como potente espelho da sociedade.

Trata-se de uma tragicomédia musicada protagonizada pelos atores Sergio Siviero e Gui Calzavara, com dramaturgia cênica de Cibele Forjaz e direção de produção de Danielle Cabral (DCARTE).

A peça conta a história do palhaço Augusto (personagem do texto Sorriso) e seu magistral número para a lua. Junto de Augusto (Sergio Siviero), está o homem-banda (Gui Calzavara) que faz as vezes ora de antagonista, ora de inspiração, ora de duplo do próprio Augusto. com quem o personagem está conectado nesta jornada. Ao longo dessa história, Augusto vai sendo atravessado por frestas que refletem pensamentos sobre a atualidade.

A música tem um papel importante no espetáculo, com letras compostas por Schapira, musicadas pelos diretores musicais Demian Pinto e Gui Calzavara, e cantadas e coreografadas em cena, principalmente nos números de picadeiro. Além disso, há a presença do homem-banda, que vai tocando e sampleando ao vivo no palco.

O trabalho diário de preparação corporal e direção de movimento conduzido por Luaa Gabanini teve uma participação estrutural e fundante na construção das figuras que se desdobram no espetáculo transitando entre os diferentes planos.

O espetáculo acontece em vários planos de atuação, conta Forjaz, como uma metalinguagem do próprio fazer artístico. “Tem o plano dos atores que acontece no meio do público, numa espécie de avanço do palco para a plateia e que será transmitido ao vivo pelo Instagram, como uma conversa ao pé do ouvido. Tem uma rampa que é uma espécie de fronteira entre o palco e a plateia; o proscênio, onde fica a banda e acontecem as cenas mais épicas, que se comunicam diretamente com a plateia; e, por fim, dentro do palco, onde fica o “picadeiro”, a cena dentro da cena, que começa vazia e vai se montando ao longo do espetáculo. Então, são muitos planos diferentes de realidade e a encenação transita entre eles de modo explicitamente teatral. Em cada um desses planos, uma forma de atuação diferente, uma relação com a plateia, uma linguagem de luz, figurino, cenografia, etc. A encenação acontece nesse trânsito entre planos e linguagens”, explica a responsável pela dramaturgia cênica.

A peça apresenta a transformação de indivíduos em atores, de atores em palhaços fora de cena, até encarnar o palhaço no picadeiro, com suas máscaras características. “A história aborda questões sobre a função do artista e o papel da arte, em tempos tão duros e desafiadores. De certa forma, todo mundo está refletindo sobre o próprio papel e a maneira de participar na construção destes novos tempos” diz a diretora Claudia Schapira.

Sergio Siviero, Claudia Schapira e Danielle Cabral trabalharam juntos por dois anos se debruçando sobre os textos de Miller e Genet e nas pesquisas realizadas por Siviero sobre o ator e a ideia do suicidado da sociedade. O contexto de pandemia – que paralisou tudo – lançou luz sobre a necessidade de perceber as urgências e o questionamento do nosso lugar no mundo.

A dramaturgia quer provocar o espectador a se reconhecer na história, se ver diante das questões trazidas à luz da cena pelo palhaço. Se enxergar em sentimentos muitas vezes rechaçados socialmente. “A maneira como a gente conta essa história está implicada com a realidade. Colocamos a narrativa na voz desses palhaços, desses bufões que falam do nosso ridículo, que falam da nossa vergonha, daquele lugar que às vezes evitamos explicitar. O palhaço é uma máscara que tem a licença de dizer verdades, deflagrar disfarces camuflados pela cordialidade”, pontua a diretora.

O grupo nomeia o espetáculo de tragicomédia musicada justamente por fazer um trânsito entre linguagens artísticas, que busca a cumplicidade e a empatia da plateia. “O público ri e se emociona, embarca no lirismo dos palhaços e ao mesmo tempo reflete junto com os atores sobre a realidade e as dificuldades específicas de nosso momento histórico, pós-pandemia. Venham ver a peça, é dessas que dá para rir e chorar ao mesmo tempo”, complementa Forjaz.

Ficha técnica:

Dramaturgia inédita de Claudia Schapira, livremente inspirada nos textos: O Sorriso Ao Pé Da Escada (HENRY MILLER) e Funâmbulo (JEAN GENET). Dramaturgia Cênica: Cibele Forjaz. Direção Geral: Claudia Schapira. Com Gui Calzavara e Sergio Siviero. Direção de Movimento e Preparação Corporal: Luaa Gabanini. Vídeo Arte: Vic Von Poser. Cenografia: Marisa Bentivegna. Assistente de Cenografia: Cezar Renzi. Direção Musical: Demian Pinto e Gui Calzavara. Luz: Cibele Forjaz. Figurino: Claudia Schapira. Consultoria de Palhaço: Cristiane-Paoli Quito. Desenho e Treinamento de spoken word: Roberta Estrela D’alva. Projeto gráfico: Daniel Minchoni. Visagismo: Leopoldo Pacheco. Fotos: Manoela Rabinovitch. Produção Musical: Gabriel Hernandes. Assistente de Cenografia: Cezar Renzi. Costureira: Cleuza Amaro da Silva Barbosa. Aderecistas (Maquete do circo): Samara Pavlova e Nathalia Campos. Cenotécnicos: Edilson Quina (Urso), Cíntia Matos, Edson Quina e Paulo Miguel Filho. Assistente de Produção: Giovana Carneiro. Produtor de campo: José Renato Forner. Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli. Direção de Produção e coordenação de projetos: Danielle Cabral. Produção Geral: DCARTE. Administração e Gestão: EXEDRA. Apoio: Casa Livre. Idealização: Sergio Siviero e Claudia Schapira. Realização SESC SP.

Não haverá espetáculo dia 7/4 feriado.

Sessão para escolares no dia 13/4, às 20h.

 

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 17/03/2023 até 16/04/2023

Dias

sex 21h, sáb 21h, dom 18h

Duração

70 minutos

Valor

R$40 (inteira) / R$20 (meia) / R$12 (credencial plena)

Região

Zona Sul / São Paulo

Teatro / Espaço

Sesc Ipiranga
R. Bom Pastor, 822, Ipiranga, São Paulo/SP - 04203001

Estacionamento

Cafeteria

Sim

Telefone

(11) 3340-2000

12

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 12 anos

Galeria de fotos
Compartilhar em

Você pode se interessar

BELCHIOR – O MUSICAL

A narrativa, construída por Pedro Cadore e Cláudia Pinto, se desdobra a partir de trechos de entrevistas do próprio Belchior, proporcionando ao público um vislumbre da juventude do artista e suas reflexões sobre um mundo em constante desconcerto. O espetáculo destaca Pablo Paleólogo, que encarna o cantor cearense, e Bruno Suzano, que dá vida ao "Cidadão Comum", uma presença constante nas canções de Belchior, representando, de certa forma, seu alter ego. Mais do que uma mera retrospectiva, a peça aspira transmitir a filosofia de Belchior, convidando o espectador a explorar a profundidade de suas letras e pensamentos. Cadore destaca a intenção de proporcionar uma experiência nostálgica aos fãs, assim como introduzir a poesia única do compositor àqueles que ainda não a conhecem.

de 04/07/2024 a 21/07/2024 minà partir de R$ 60Em breve
  • Quinta21h
  • Sexta21h
  • Sábado21h
  • Domingo18h
Teatro Bravos - Complexo Aché Cultural

É COMO DIZ O DITADO

É COMO DIZ O DITADO trata das mudanças da vida, algo sempre um pouco assustador, de uma forma leve e divertida. O casal circense formado pela Mulher Barbada e pelo Palhaço Coriza, por uma “falha técnica” são abandonados pelo circo. Sozinhos na cidade desconhecida, precisam achar novas maneiras de lidar com essa mudança repentina de vida, inclusive tentando novos tipos de empregos. A leveza vem nas formas da encenação, que traz muito da cultura popular e da infância, seja na trilha sonora com suaves gravações de músicas do cancioneiro popular, seja na presença de brincadeiras e interações. Tudo dentro do universo mambembe, do artista circense, que produz tudo o que necessita usando os materiais que tem às mãos.

de 01/07/2024 a 22/07/202450 minà partir de R$ 40Em breve
  • Segunda15h
Teatro Uol

MEMORÁVEL – HISTÓRIAS NOTÁVEIS

Memorável é tudo aquilo que merece ser conservado na lembrança. Por meio da palhaçaria e da ludicidade, o espetáculo conta, canta e retrata as ações dos Palhaços Sem Fronteiras e suas aventuras vividas em áreas de risco e de instabilidade. A peça é um convite a crianças, jovens e adultos para que conheçam os Palhaços Sem Fronteiras Brasil e revivam momentos mágicos. São relatos que transformaram e construíram a trajetória dessa “inacreditável” Organização, assim como de todos que passaram por ela. Afinal, o que fazem os Palhaços Sem Fronteiras?

de 23/06/2024 a 28/07/2024 minà partir de R$ 9Em breve
  • Domingo12h
Sesc Bom Retiro

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.