Você está na cidade de:

COMO SOBREVIVI A MIM MESMA NESTA QUARENTENA

EM SUA REESTREIA NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER, RITA FISCHER LEVA À CENA UMA MULHER À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS

Após lotar sessões no festival Fair Saturday, em Lisboa, o monólogo “Como sobrevivi a mim mesma nesta quarentena” integra a programação do festival do Teatro Gláucio Gill em Copacabana com reestreia no Dia Internacional da Mulher.

Ao se ver sozinha e presa num apartamento que não era o seu durante a pandemia, a autora e atriz Rita Fischer começou a produzir vídeos para o Instagram, compartilhando sua experiência no confinamento. Os registros em vídeos postados nas redes sociais tiveram uma ótima repercussão – alguns chegando a atingir 500 mil visualizações – o que fez com que Rita tivesse a ideia de levá-los para o palco.

Primeiro solo da atriz, o espetáculo narra de maneira irreverente as agruras vividas por Rita durante a quarentena de 2020. Mais do que falar da situação pandêmica, o espetáculo apresenta a cabeça fervilhante de uma autora mulher, confinada em casa e todas os desdobramentos que vem a partir disso. Como passar tantos dias encarando a si mesma? Como sobreviver a um auto aprisionamento?

Depois de se apresentar no festival Fair Saturday Festival Internacional de Lisboa, tendo sido o segundo espetáculo mais visto de todo o evento, e de duas curtas, mas muito bem-sucedidas temporadas cariocas, com casa cheia todos os dias e seis críticas que ressaltam a qualidade da montagem, Rita Fischer abre novamente sua caixa de Pandora e nos presenteia com um espetáculo divertido, atual e extremamente sensível. De situações cômicas, como o flerte com o vizinho pela janela ou suas novas manias para passar o tempo, até momentos reflexivos, como a solidão de passar enclausurada um aniversário.

“Fiz isso para não enlouquecer de vez com a situação, que já fez minhas neuroses e TOC’s aumentarem substancialmente. O humor, quando bem empregado, pode e deve ser um grande agente transformador. Infelizmente não dá para a gente burlar o momento atual que estamos vivendo, mas podemos ressignificá-lo. E é exatamente isso que a peça propõe. No momento em que criei os vídeos, foi muito gratificante ouvir
coisas como ‘você foi a melhor coisa da minha quarentena’ ou ‘o único momento do dia em que eu consegui sorrir foi vendo os seus vídeos’. Isso me deu forças para trazer essas histórias para o teatro”, conclui Rita Fischer, que recebeu o Prêmio Shell 2012 pela Ocupação da Companhia Alfandega 88 no Teatro Serrador e circulou pelo Brasil com a peça “Online”, dividindo a cena com Paulo Gustavo.

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia: Rita Fischer
Orientação Dramatúrgica: Cristina Fagundes
Direção: Thiago Bomilcar Braga
Atuação: Rita Fischer
Iluminação: Diego Diener
Figurino: Rita Fischer
Operação de Luz: Rebeca Souza
Operação de Som: Thiago Bomilcar Braga
Fotos de Cena: Giacomo Spa
Fotos e Designer: Studio Léo Dalledone
Registro em vídeo: Tiago Scorza
Administração da Temporada: Julia Tavares
Direção de Produção: André Roman & Teatro de Jardim
Realização: Vital Neto & AR Produções
Concepção e Idealização: Rita Fischer

Texto disponibilizado pela produção do espetáculo.

Detalhes da peça

Status

Encerrada

Temporada

De 08/03/2023 até 29/03/2023

Dias

qua 20h

Duração

60 minutos

Valor

R$50 (inteira) / R$25 (meia)

Região

Zona Sul / Rio de Janeiro

Teatro / Espaço

Teatro Glaucio Gill
Praça Cardeal Arcoverde, s/n, Copacabana, Rio de Janeiro/RJ - 22040030

Estacionamento

Cafeteria

Sim

Telefone

(21) 99414-2274

E-mail

ascomfunarj@sec.rj.gov.br

14

Classificação indicativa

Não apropriado para menores de 14 anos

Galeria de fotos
Compartilhar em

Você pode se interessar

SUBTERRÂNEA: UMA FÁBULA GROTESCA

Em Subterrânea: uma fábula grotesca, Juliana utiliza-se do mascaramento, para dar vida a uma mulher-cigarra, personagem conservadora, que espelha a trajetória e as funções exercidas pela mulher em um ambiente patriarcal. No palco, o público acompanha exatamente o desenrolar do ciclo de vida da cigarra. Ela, pelo bem da espécie, repete o próprio sistema que a reprime, mantendo assim, a ordem natural das coisas, acreditando que a sobrevivência depende do cumprimento das obrigações que o próprio sistema impõe.

de 21/06/2024 a 30/06/202440 minGratuitoEm breve
  • Sexta20h
  • Sábado20h
  • Domingo18h
Teatro Arthur Azevedo

O HOMEM QUE QUERIA SER LIVRO

Diante do enigma da morte e do nada provocado pela morte de um ente querido, um homem sai em busca do sentido da vida, tendo nos livros seu alicerce, enquanto vai narrando os motivos à solitude das letras ao convívio social. Não reunindo mais forças, recorre à imaginação para fugir da realidade, e mesmo assim vê-se tragado por um escuro e profundo abismo. Para se defender, passa então, a encarnar física e psiquicamente vários personagens, e é nesse “virar letra” que se depara com o Cavaleiro da Triste Figura: Dom Quixote, que o faz ressurgir renascido.

de 24/06/2024 a 26/06/202450 minà partir de R$ 16Em breve
  • Segunda20h
  • Terça20h
  • Quarta20h
Theatro Municipal de São Paulo

SER JOSÉ LEONILSON

Idealizado e criado por Laerte Késsimos, o espetáculo teatral “Ser José Leonilson” é uma costura poética entre a vida e obra do artista plástico José Leonilson (1957-1993) morto pela pandemia de AIDS, e a biografia do ator Laerte Késsimos. Um bordado ou um diário em que frente e verso são compartilhados publicamente – suas amarras, cortes, sobras de linha, correções, imperfeições, pontos e nós.

de 05/07/2024 a 07/07/202495 minGratuitoEm breve
  • Sexta20h
  • Sábado20h
  • Domingo19h
TUSP - Butantã

Inf Busca Peças

Data
Preço

Este website armazena cookies no seu computador. Esses cookies são usados para melhorar sua experiência no site e fornecer serviços personalizados para você, tanto no website, quanto em outras mídias. Para saber mais sobre os cookies que usamos, consulte nossa Política de Privacidade

Não rastrearemos suas informações quando você visitar nosso site, porém, para cumprir suas preferências, precisaremos usar apenas um pequeno cookie, para que você não seja solicitado a tomar essa decisão novamente.